A alma NÃO É imortal!, Série "A Condição Humana após a Morte"

Não somos divididos em partes!

SÉRIE DE ESTUDOS:
A Condição Humana Após a Morte!

Desde muito tempo atrás, a cristandade tem debatido exaustivamente o significado de termos como “corpo”, “alma” e “espírito”, usando como fonte de pesquisa muito mais a história (o que não é totalmente ruim), a filosofia e a psicologia, e menos as Escrituras(isso é péssimo!), gerando diferentes doutrinas e bastante desentendimento. Creio que, como Igreja de Jesus, temos sido desviados da verdade por nos recusarmos a estudar a bíblia com profundidade, colocando a responsabilidade do entendimento e interpretação dos textos bíblicos nas mãos de teólogos e pastores que, respaldados pela visão geral, nos passaram aquilo que aprenderam. Erramos gravemente em não considerarmos, por nós mesmos, a simplicidade bíblica sobre o assunto.

Esses termos referem-se à formação do homem, e alguns se dizem dicotomistas, crendo que o homem seja composto de “corpo e alma”. Outros incluem também o espírito como parte da composição humana, o que os torna tricotomistas. Mas a Escritura não respalda a visão de que o homem possa ser dividido dessa maneira. Como veremos, a Bíblia descreve a pessoa humana como uma totalidade, um todo, um ser unitário.

O termo Dicotomia

A despeito de sabermos que a dicotomia faz parte do entendimento grego sobre a formação do homem, claramente contrário à Escritura, devemos rejeitar o termo dicotomia como tal, visto que ele não é uma descrição exata da visão bíblica do homem. A palavra vem de duas raízes gregas: diche, significando “dupla” ou “em duas”; e temnein, significando “cortar”. Ela, portanto, sugere que a pessoa humana pode ser cortada em duas “partes”.

O termo Tricotomia

De igual modo, a palavra “tricotomia”, em si mesma, também sugere que o homem pode ser separado em três “partes”, posto que é formada de outras duas palavras gregas: tricha, (“tríplice”) e temnein, (“cortar”). Alguns tricotomistas, incluindo Irineu, até sugeriram que certas pessoas tinham os seus espíritos cortados, enquanto que outras não.

O problema grave é que esses conceitos doutrinário-teológicos fazem uma aguda distinção entre o espírito e a alma, o que não encontra suporte algum nas Escrituras. Podemos ver isto mais claramente quando observamos que as palavras hebraica e grega traduzidas como alma e espírito são freqüentemente usadas na Bíblia como significando a mesma coisa!

Perceba que o homem é descrito, nos textos bíblicos, tanto como alguém que é corpo e alma quanto alguém que é corpo e espírito. Veja:

I Coríntios 7:34 – “Também a mulher, tanto a viúva como a virgem, cuida das coisas do Senhor, de como agradar ao Senhor, assim no corpo como no espírito” .

Mateus 10:28 – “Não temais aqueles que matam o corpo mas não podem matar a alma(psyche=vida).” – Mais adiante trataremos, de forma mais específica, da interpretação equivocada que temos feito desse versículo.

Tiago 2:25 – “Como o corpo sem o espírito está morto, assim a fé sem as obras é morta.”

Isaías 26:9 – “Com minha alma(psyche=vida) te desejei de noite e, com o meu espírito, que está dentro de mim, madrugarei a buscar-te.”

Perceba que a angústia e a dor são atribuídas tanto à alma quanto ao espírito:

I Samuel 1:10 – “Levantou-se Ana e, com amargura de espírito, orou ao Senhor, e chorou abundantemente.”

Isaías 54:6 – “Porque o Senhor te chamou como a mulher desamparada e de espírito abatido; como a mulher da mocidade, que fora repudiada, diz o teu Deus”

João 12:27 – “Agora está angustiada a minha alma(psyche=vida).” – Quem estava angustiado era Jesus todo, pois sua alma “é” a sua essência, sua vida.

João 13:21 – “Ditas estas cousas, angustiou-se Jesus em espírito.” – Repare que Jesus angustiou-se, tanto na alma quanto no espírito, ou seja, não há distinção entre ambos.

1 Pedro 2:8 – “Porque este justo [Ló], pelo que via e ouvia quando habitava entre eles, atormentava a sua alma(psyche=vida) justa, cada dia, por causa das obras iníquas daqueles.”

Atos 17:16 – “Enquanto Paulo os esperava em Atenas, o seu espírito se revoltava, em face da idolatria dominante na cidade.”

Perceba que, ao contrário do que aprendemos desde sempre (que a alma reflete as emoções e o espírito reflete a racionalidade do homem), alma e espírito são tratados, na bíblia, como sendo simplesmente a fonte da vida e das reações do ser humano, formando o “todo” do homem.

O louvor e o amor a Deus também são atribuídos tanto à alma quanto ao espírito:

Lucas 1:46-47 – “A minha alma(psyche=vida) engrandece ao Senhor e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador.” – Note que Maria estava radiante em todo o seu ser!

Marcos 12:30 – “Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração e de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força.” – Aqui, Jesus não sugere que nos fatiemos em partes, mas deseja que amemos a Deus com TODO nosso ser! É isso que o texto está dizendo.

A salvação é associada tanto à alma quanto ao espírito:

I Coríntios 5:5 – “…entregue a Satanás, para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo, no dia do Senhor.”

Tiago 1:21 – “Acolhei com mansidão a palavra implantada em vós, a qual é poderosa para salvar as vossas almas(psyché=vida).” – Assim como a alma, que é a vida do ser, o espírito (que é o sopro de vida), precisa ser restaurado, ou seja, salvo! Se ambos formam a totalidade do ser, quem se restaura, então, é o ser completo, total.

“Penetra até o ponto de dividir alma e espírito..”

Apesar da clareza dos textos apresentados acima, há duas passagens do Novo Testamento que têm sido usadas, erroneamente, para embasar doutrinas equivocadas sobre a divisão do homem em partes; trata-se de Hebreus 4:12 e I Tessalonicenses 5:23! Vejamos:

Hebreus 4:12 diz o seguinte: “Porque a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração.”

Repare que o autor de Hebreus não pretende dizer que a Palavra de Deus causa uma divisão entre uma “parte” da natureza humana chamada alma e outra “parte” chamada espírito, assim como não pretende dizer que a Palavra causa uma divisão entre as juntas do corpo e a medula encontrada nos ossos. Trata-se de uma figura de linguagem.

A sentença seguinte aponta para o seu objetivo: ele deseja dizer que a palavra de Deus discerne “os pensamentos e atitudes (ou intenções) do coração”, ou seja, ela penetra no mais profundo de nosso ser, a ponto de dividir o indivisível, trazendo à luz os motivos secretos de nossas ações. Esta passagem está em paralelo com outro texto de Paulo, que diz: “[o Senhor] não somente trará à plena luz as cousas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações” (I Coríntios 4:5). Não há, portanto, nenhuma razão para se entender Hebreus 4:12 como ensinando uma distinção psicológica entre alma e espírito, como se fossem duas partes constituintes do ser humano.

“E o vosso espírito, alma e corpo, sejam conservados íntegros e irrepreensíveis..”

A outra passagem que tem gerado dúvidas é I Tessalonicenses 5:23, onde se lê: “O mesmo Deus da paz voz santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo, sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nossos Senhor Jesus Cristo.”

Inicialmente, precisa ficar claro aos amados que esta passagem não é e nunca foi uma afirmação doutrinária, mas uma oração. Paulo ora para que os crentes tessalonicenses possam ser santificados e guardados(preservados) por Deus até que Cristo retorne. A intensidade da santificação, pela qual Paulo ora, é expressa no texto por duas palavras gregas: a primeira, holoteleis, é derivada de holos, significando a “totalidade”, e telos, significando a “finalidade” ou “alvo”; a frase significa “a totalidade de modo que se alcance o alvo”.

A Segunda palavra, holokleron, derivada de holos e kleros, “porção” ou “parte”, significa “completa em todas as suas partes”. É importantíssimo observar que na segunda metade da passagem, tanto o adjetivo holokeron quanto o verbo teretheie (“possam ser guardados ou preservados”) estão no singular, indicando que a ênfase do texto está sobre a totalidade da pessoa e não em uma suposta divisão em partes distintas. Quando Paulo ora pelos tessalonicenses para que o espírito, alma e corpo possam ser conservados, ele não está tentando separar o homem em três partes, assim como Jesus não pretendeu dividir-nos em quatro partes, quando disse: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força” (Lucas 10:27). Ao contrário, esses textos querem demonstrar que Deus deseja o TODO do homem, o “ser total”, e não apenas parte dele, ou seja, o homem inteiro precisa se conservar irrepreensível para o dia de Cristo. Esta passagem, portanto, também não proporciona qualquer base para uma visão que dilacere a constituição do homem.

Os termos “alma” e “espírito”, nas Escrituras, provém de palavras hebraicas e gregas, línguas nas quais a Palavra de Deus foi escrita. Vejamos:

O que é a alma?

Alma – No AT, vem do hebraico nephesh e ocorre aproximadamente 755 vezes, sendo traduzida de diferentes formas, dependendo do contexto. No Novo Testamento, a palavra grega é psyché(vida), que ocorre aproximadamente 105 vezes e é equivalente a nephesh. O léxico do Novo Testamento Grego de Arndt-Gingrich lista um número de significados para esta palavra, alguns dos quais são: “princípio de vida”, “vida terreal”, “assento da vida mais interior do homem” (incluindo sentimentos e emoções), “aquilo que possui vida: uma criatura viva”, “o inteiro ser vivente, sem divisão nenhuma.”

Algumas das traduções bíblicas mais comuns para alma são:

“vida” (Gênesis 9:4,5; 35:18; Salmos 31:13, Levítico 17:11, etc); “pessoa” (Gênesis 14:21; Deuteronômio 10:22; Atos 27:37, etc); “apetite” (Eclesiastes 6:7); “coração” (Êxodo 23:9); “ser vivente” (Apocalipse 16:3); “expressa sentimentos” (Mateus 26:38); Ler Ezequiel 13:18-19.

A palavra “alma” aparece na Bíblia, aproximadamente 900 vezes, e em nenhum caso refere-se a uma entidade fora do corpo, ou que seja “imortal”.

Espírito – No AT, aparece 377 vezes, sendo usadas as palavras ruach e neshamah. No Novo Testamento, a palavra grega para “espírito” é pneuma, que ocorre aproximadamente 220 vezes. Ambas são traduzidas de diversas formas nas Escrituras; eis alguns exemplos:

O que é espírito?

Espírito: “vento” (Gênesis 8:1), “espírito” (no sentido de alento – Juízes 15:19),“atitude ou estado de espírito” (Romanos 8:15; I Coríntios 4:21, etc); “consciência individual” (I Coríntios 2:11). Possui também outras definições: “anjos e demônios” (Hebreus 1:14; I Timóteo 4:1, etc); “referindo-se a Cristo” (II Coríntios 3:17; Romanos 1:4).

O termo “espírito”, em todas as vezes que aparece nas Escrituras referindo-se ao ser humano, também não expressa o conceito de que o mesmo seja uma entidade imaterial consciente, capaz de sobreviver fora do corpo. Ao contrário, ao morrer o homem, simplesmente volta para Deus, que o deu.

Percebemos, então que, a partir do exposto até aqui e ao contrário do que a Igreja pensava, nós não temos uma alma e um espírito extrínsecos ao corpo, que saem e vagueiam pelo cosmos após a morte e, por ocasião da volta de Jesus, retornam aos seus respectivos donos. Isso seria, grosso modo, o princípio da reencarnação, irmãos!

E o nosso corpo?

A Bíblia não ensina qualquer tipo de distinção aguda entre os termos alma e espírito. E a respeito do corpo, os crentes aprenderam equivocadamente que morrer significa deixá-lo no túmulo(porque é “corruptível”) e ir para algum lugar como alma.

Segundo as Escrituras, a matéria não é má, pois foi criada por Deus. A Bíblia nunca denigre o corpo humano como uma fonte necessária do mal(essa teoria baseia-se na filosofia neoplatônica, como veremos a seguir), mas o descreve como um aspecto da boa criação de Deus, que deve ser preservado e usado a serviço de Deus, pois “…é o templo do espírito santo”.

Para os gregos, o corpo era considerado “uma sepultura para a alma” (soma sema), que o homem “alegremente” abandonava na morte, ideia totalmente estranha às Escrituras, mas que ainda norteia o entendimento de muitos crentes sobre esse assunto.

Mas, se nosso Deus nos fez seres totais, integrais em nossa natureza, porque a Igreja se desviou tanto da verdade? De onde veio e como começou o engano de que temos uma alma imortal?

“Quem tem ouvidos para ouvir, OUÇA..”

Próximo artigo: A alma pode viver independente do corpo! Ensino pagão ou bíblico?

______________________________________

Leia os outros artigos desta série:

A alma pode viver independente do corpo! Ensino pagão ou bíblico?
Temos mesmo uma alma imortal?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *