Cristianismo Pagão, O Dízimo NÃO É obrigatório!

O dízimo NÃO É uma exigência bíblica para os dias atuais! – Parte final

Querido leitor, ao ser ensinado sobre a verdade em relação ao dízimo, não significa que você pode simplesmente virar as costas a qualquer contribuição para socorrer, suprir necessidades, ajudar quem realmente precisa no corpo de Cristo. Não se torne um avarento. Pelo contrário. Agora que pode livrar-se do jugo em relação a isso, torne-se ainda mais abençoador e caridoso. Essa é a vontade do nosso Pai Eterno.

Dito isso, vamos continuar o nosso estudo.

O que é dízimo? Imediatamente você poderá imaginar: Dez por cento dos meus rendimentos
para os cofres da igreja. Mas, será que o Pai Eterno ainda exige que pratiquem alguma ordenança da lei do Antigo Testamento (da qual foi instituído o dízimo), mesmo depois que o seu amado filho se entregou a si mesmo em sacrifício vivo e pela aspersão do seu sangue no madeiro nos remiu dos pecados?

Vamos meditar na palavra um pouco mais sobre essa questão, mas antes de iniciarmos a última parte de nosso estudo, vamos dar uma olhada na definição da palavra DÍZIMO:

Dízimo: A décima parte.
Dízima: Contribuição ou imposto equivalente a décima parte dos rendimentos.

Como podemos observar, dízimo é a décima parte (de qualquer coisa) menos dos seus rendimentos. Porque a fração equivalente a dez por cento dos rendimentos chama-se Dízima. Na lei de Moisés, a qual foi por Cristo abolida (Hebreus 7.12,18, 19), o dízimo nunca foi dinheiro para os cofres das igrejas.

É inegável, ainda que o dízimo não tivesse sido abolido, hoje o homem estaria desvirtuando a finalidade para a qual lei o instituiu.

Os dízimos aos levitas era exatamente dez por cento das colheitas dos grãos, dos frutos das árvores e dos animais que nasciam em um determinado período. Alimento destinado a suprir as necessidades dos levitas que não tinham parte nem herança na terra prometida. Vejamos:

“E quando o lugar que escolher o Senhor teu Deus para fazer habitar o seu nome, for tão longe que não os possa levar, vende-os e ata o dinheiro na tua mão, e vai ao lugar que escolher o Senhor teu Deus e compre tudo o que a tua alma desejar, e come ali perante o Senhor teu Deus, e alegre tu e tua casa. Porem, não desamparará ao levita que está dentro das tuas portas e não tem parte e nem herança contigo.” (Deuteronômio 14.24-27)

Considere a profundidade do texto bíblico onde o Senhor evidencia que, se o lugar que escolheu o Senhor teu Deus para levar o seu dízimo, for tão longe que não os possa levar, “Ele” instrui, que o seu dízimo deveria ser vendido, e o dinheiro atado na tua mão, (não é na mão de nenhuma outra
pessoa), ir ao lugar que escolheu o Senhor, e comprar o que a tua alma desejar, para ali fazer habitar o nome do Senhor Deus.

Portando amados, se o “dízimo” fosse dinheiro, o Senhor não iria mandar vender o que já era espécie.

A palavra não deixa dúvida quanto ao dízimo da lei de Moisés, o qual nunca foi oferecido da forma que está sendo feito, porque o dízimo era consagrado ao Senhor. O dízimo não era dinheiro, mas sim, dez por cento da produtividade, para suprir as necessidades dos levitas, mas hoje não existe mais a personalidade representativa do levita entre nós.

Então alguém poderá apontar para Malaquias 3.10 para justificar que fora ordenado que o dízimo fosse levado para casa do tesouro. Isso não muda nada, pois a finalidade do dízimo continua sendo a mesma, ou seja, para produzir o sustento dos levitas.

Se meditarmos nos livros de II Crônicas 31.5-12 e Neemias 12.44-47 vamos entender melhor o porquê Malaquias mandou levar os dízimos a casa do tesouro. A palavra diz: Para que haja mantimento na minha casa. E o que é mantimento?

Mantimento: Aquilo que mantém: provisão, sustento, comida, dispêndio, gênero alimentício, etc.

Ainda em II Crônicas 31.13-19, a lei mencionava que o quinhão dos dízimos era partilhado às comunidades dos levitas que trabalhavam nas tendas das congregações, segundo o ministério que cada um recebera do Senhor. Hoje o dízimo está sendo totalmente distorcido da forma original para o qual o Senhor Deus o determinou. Está sendo direcionado para o líder da igreja ou à cúpula de uma organização religiosa, onde ninguém mais sabe a que fim se destina esse montante.

Enfim, o dízimo não fora criado para assalariar dirigentes das igrejas ou para prover as despesas pessoais desses ou mesmo para construir templos.

No Antigo Testamento, o rigor da ordenança do dízimo era a garantia do mantimento com abundância. Pagava-se o dízimo para receber recompensa das coisas materiais, mas Cristo em sacrifício vivo, pagou o mais alto preço, pagou o preço de sangue para que recebamos a paz, a graça e a oferta da vida eterna.

Antes de Cristo, as escrituras eram sombras do que se realizaria nele. No Evangelho de Cristo, “Ele” nos ensina que não precisamos mais entregar dízimo para garantir as necessidades cotidianas de coisas materiais (alimento, vestimenta, etc.) como era na lei, mas a prioridade hoje é buscar primeiramente o Reino de Deus e sua justiça e as demais coisas nos serão acrescentadas (Mateus 6.25 a 33). E para receber a graça e as bênçãos do Senhor não precisamos pagar mais nada (Mateus 10.7 a 10). É “Ele”, quem nos dá a vida, a respiração, e todas as coisas (Atos 17.25). Esta verdade sempre foi omissa pelos pregadores.

OS DÍZIMOS ANTES DA LEI

O dízimo de Abraão – Gênesis 14.18-20 – Abraão deu o dízimo dos despojos da guerra ao Rei Melquisedeque, sacerdote do Deus altíssimo, e foi por ele abençoado.

O dízimo de Jacó – Gênesis 28.20-22 – Jacó fez um voto ao Senhor, prometendo-lhe dar o dízimo de tudo quanto ganhasse se em sua jornada fosse por “Ele” protegido e abençoado.

Em ambos os acontecimentos, não há registro na palavra do Senhor que tenha havido ordenanças ou determinação para que se dessem os dízimos. Especificamente nesses casos, deu-se por uma iniciativa voluntária, espontânea, ou por voto, como forma de reconhecimento, agradecimento, honra e glória ao Senhor Deus, pelas bênçãos recebidas e pelas vitórias conquistadas.

Assim sendo, hoje não se pode tomar como exemplo os dízimos de Abraão e Jacó, como fundamento para implantá-lo como regra geral de doutrina nas igrejas, com o propósito de receber bênçãos e salvação, como muitos pregadores fazem, coagindo e chantageando os fieis em nome do sacrifício do Senhor Jesus.

O DÍZIMO PELA LEI

Números 18.21, 24, 26 – O pagamento do dízimo teve ordenança, fazendo parte do contexto da lei do Antigo Testamento, e tinha caráter de caridade, pois a sua principal finalidade era suprir as
necessidades dos Levitas que não tinham parte nem herança na terra prometida, e também dos estrangeiros, órfãos e viúvas.

“Então virá o levita (pois nem parte nem herança têm contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão; para que o Senhor teu Deus te abençoe em toda a obra das tuas mãos que fizeres.” (Deuteronômio 14.29)

Está na palavra, caro leitor, o Dízimo foi criado por Deus, com a finalidade exclusiva de fazer caridade aos necessitados, mas hoje, além de não ser uma ordenança, é empregado com outros fins, diverso daquele que o Senhor mandou antes de Cristo.

Mas, ainda que os dirigentes das igrejas revertessem toda a renda dos dízimos e ofertas em obras sociais, ainda não estavam em conformidade com a palavra do Senhor, pois além do dízimo ter sido abolido (Hebreus 7.5-12), a caridade ou amor ao próximo, é algo muito profundo, é individual e
intransferível, é entre você e Pai Eterno (Mateus 6.1-4).

Outro detalhe interessante que precisamos conhecer. Quando o dízimo foi instituído pela lei (Números 18.20 a 24) com a finalidade de manter os filhos de Levi que administrariam o ministério na tenda da congregação, os quais não receberam parte nem herança na terra prometida, (Números 18.24”b”), disse o Senhor que os filhos de Levi não teriam nenhuma herança no meio dos filhos de Israel.

As demais tribos de Israel dizimavam aos Levitas o necessário para a manutenção cotidiana, porque não possuíam propriedades na terra. Hoje, a situação está inversa, os trabalhadores, a maioria deles assalariados, ofertam o dízimo para os que vivem sem trabalhar e em abundância de bens, para manter a mordomia desses, sob pretexto de ministrar a obra de Deus.

O DÍZIMO NO EVANGELHO DE CRISTO

“Disse Jesus: Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda a criatura. Quem crer e for batizado, será salvo, mas quem não crer será condenado.” (Marcos 16.15-16)

O Senhor Jesus mandou pregar o Evangelho, para que crendo, recebamos a salvação (I Coríntios 15.1, 2). Foi para isso que “Ele” deu a sua vida. E onde está a ordenança para o dízimo, senão no Antigo Testamento? Porque então o homem insiste em pregar e manter as ordenanças da lei, as quais foram por Cristo abolidas? Pregar a velha aliança é mutilar o Evangelho de Cristo, e sobrecarregar as ovelhas de pesados fardos, escravizando os que buscam a liberdade, verdadeiros condutores cegos, porque o Senhor assim os declara (Mateus 15.14).

No Evangelho de Cristo “Ele” nos ensina a fazer caridade, nos ensina a orar, a jejuar (Mateus 6.1-18), e uma infinidade de outros ensinamentos, porém nas duas únicas vezes que “Ele” referiu-se aos dízimos, foi com censura. Vejamos:

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o Juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas e não omitir aquelas.” (Mateus 23.23)

Alguém poderá considerar que Jesus ordenou que se dizimasse, porque “Ele” disse que “Deveis fazer estas coisas”. Vamos buscar o entendimento espiritual na palavra do Mestre:

Jesus era um judeu, nascido sob a lei (Gálatas 4.4). Portanto, viveu Jesus na tutela da lei de Moisés, reconheceu-a, e disse dessa forma, pela responsabilidade de cumprir a lei. Vejamos:

“Disse Jesus: Não cuideis que vim abolir a lei e os profetas, mas vim para cumpri-la, e, nem um jota ou til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.” (Mateus 5.17,18)

E verdadeiramente Ele cumpriu a lei. Foi circuncidado aos oito dias, foi apresentado na sinagoga (Lucas 2. 21-24), assumiu o seu sacerdócio aos trinta anos (Lucas 3.23, Números 4.43, 47), curou o leproso e depois o mandou apresentar ao Sacerdote a oferta que Moisés ordenou (Mateus 8.4), e cumpriu outras formalidades cerimoniais da lei.

Porém, quando Cristo rendeu o seu espírito ao seu Pai Eterno (Mateus 27.50,51), o véu do templo rasgou-se de alto a baixo, então passamos a viver, pela graça do Senhor Jesus, encerrando-se ali, toda ordenança da lei de Moisés, sendo abolida as ordenanças do Antigo e introduzido o Novo Testamento, o Evangelho da salvação do Senhor Jesus Cristo.

O que precisamos entender uma vez por todas é que Cristo não veio ensinar os Judeus a viverem bem a Velha Aliança. Não! “Ele” disse: “Um novo mandamento vos dou” (João 13.34). “Se a justiça provem da lei, segue-se que Cristo morreu em vão” (Gálatas 2.21).

Em Mateus 5.20 disse Jesus: Se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.

Observem que o Senhor Jesus Cristo mandou justamente os escribas e fariseus (os quais o Senhor sempre os tratava por hipócritas, falsos) que cumprissem a lei de Moisés, lei que ordena o pagamento do dízimo. Nós porém, para herdarmos o reino dos céus, não podemos de forma alguma cumprir o ritual da lei Mosaica como faziam os escribas e fariseus, hipócritas, mas precisamos exceder essa lei, a qual foi por Cristo abolida. A “Graça” do Senhor Jesus excede a lei de Moisés e todo entendimento humano.

A Segunda vez que o Senhor Jesus referiu-se aos dízimos, foi na Parábola do Fariseu e do Publicano (Lucas 18.9 a 14) e outra vez censurou os dizimistas. Tomou como exemplo um homem religioso, que jejuava duas vezes por semana e dizia ser dizimista fiel, porém, exaltava a si mesmo
e humilhava um pecador que suplicava a misericórdia do Senhor. Hoje não é diferente, muitos ainda exaltam-se dizendo: “Eu sou dizimista fiel”, mas nesta narrativa alegórica, o Senhor Jesus Cristo deixou bem claro que, no Evangelho, não há galardão para os dizimistas fiéis, ao contrário, Jesus
sempre os censurou.

A ABOLIÇÃO DOS DÍZIMOS

“E os que dentre os filhos de Levi receberam o sacerdócio tem ordem, segundo a lei, de tomar os dízimos do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão.” (Hebreus 7.5)

Neste versículo, a palavra afirma que os sacerdotes Levitas recebiam os dízimos por ordem da lei de Moisés.

“De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio Levítico, (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade se havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque (referindo-se a Jesus Cristo) e não fosse chamado segundo a ordem de Arão”? (referindo-se a Moisés, o qual introduziu a lei ao povo). (Hebreus 7.11)

“Porque se mudando o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança na lei”. (Hebreus 7.12)

Meditando no texto acima, especificamente nestes versículos, onde a palavra do Senhor diz: “Que os sacerdotes Levíticos recebiam os dízimos segundo a lei” (Hebreus 7.5), “Porque através deles (sacerdotes Levíticos) o povo recebeu a lei” (Hebreus 7.11) e mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também, mudança na lei (Hebreus 7.12), a palavra não deixa qualquer sombra de dúvida, que não só o dízimo, mas toda a lei de Moisés foi por Cristo abolida. Mudou o Sacerdócio, necessariamente, mudou também a lei.

CONCLUSÃO

Muitos pegadores dizem que Deus não quer dinheiro de sobra, tem que tirar do sacrifício para dar tudo para igreja, alguns mandam até deixar de honrar compromissos para ofertar, outros mandam vender tudo e dar na instituição religiosa para receber prosperidades, mas segundo a Palavra isso não é verdade.

No Evangelho de Cristo não há ordenança para se tomar o dízimo, ou para se cumprir qualquer outro rito da lei. Jesus nos deu um Novo Mandamento, mandou pregar o seu Evangelho, ordenou amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, isto é, com caridade, e não estipulou percentual ou limite para isso.

Em Mateus 10.42 o Senhor mandou dar pelo menos um copo de água fria; para o mancebo rico Ele mandou vender tudo e dar aos pobres (Mateus 19.21); e quando Zaqueu lhe disse que daria ate a metade de seus bens aos pobres, “Ele” não confirmou a necessidade desse procedimento (Lucas 19.8, 9). Disse apenas: “Zaqueu, hoje veio salvação a esta casa.

Muitos saem em defesa do dízimo dizendo: “Mas o Dízimo é bíblico” (Número 18.21- 26). Certamente, como também é bíblico: a circuncisão (Gênesis 17.23-27), o sacrifício de animais em holocausto (Levíticos Capítulos do 1 até 6.8-13), o apedrejar adúlteros (Levíticos 20.10 e Deuteronômio 22.22), etc. Tudo por ordem da lei de Deus que Moisés introduziu ao povo.

Então, porque hoje não cumprem a lei na íntegra, ao invés de optarem exclusivamente pelo dízimo? Querem o dízimo porque é a garantia de renda líquida e certa todos os meses nos cofres das igrejas.

O que também é bíblico, e o homem ainda não se conscientizou, é a grande divisão existente no tempo separando a Velha Aliança do Novo Mandamento do Senhor Jesus; o qual testifica a doutrina para salvação (I Coríntios 15.1, 2). Porém, hoje qualquer esforço para voltar a lei de Moisés que
Cristo desfez na cruz, é anular o sacrifício do cordeiro de Deus e reconstruir o muro por “Ele” derrubado (Efésios 2.13-15).

“… Porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de todas as tribos, e línguas, e povos, e nações”. (Apocalipse 5.9)

O preço pela nossa salvação Cristo já pagou dando o seu sangue inocente no madeiro. O Senhor ainda alerta: “Fostes comprados por bom preço, não vos façais servos de homens” (I Coríntios 7.23).

O dízimo hoje é remanescente por razões óbvias. Primeiramente, pela contribuição dos que arcam com esta pesada carga tributária, na maioria das vezes pela ausência de entendimento espiritual da Palavra, não diferenciando a lei de Moisés feita de ordenanças simbólicas e rituais, com a Graça do Senhor Jesus Cristo, o qual veio justamente para nos libertar do jugo da Lei.

Outra presunção é por parte dos que se beneficiam pelos dízimos, esses incorrem no erro ou por não terem competência e discernimento espiritual para entender que Cristo desfez a lei Mosaica no madeiro, ou mesmo consciente da abolição dessa prática, assumem o risco dolosamente pela desobediência à palavra do Senhor.

Porem, seja por uma ou por outra razão, o homem querendo ou não, aceitando ou não, o dízimo, como toda a lei cerimonial do Antigo Testamento, Cristo aboliu, com o seu próprio sangue no Calvário. (Lucas 16.16, Romanos 10.4, Efésios 2.15, II Coríntios 3.14, Hebreus 7.12,18,19).

“Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amaras ao teu próximo com a ti mesmo” (Gálatas 5.14)

Se você quer dar uma oferta de amor, quer fazer um compromisso individual com o Pai, é você e Ele, mas não vá na onda Malafaiana e Valdomiriana de que o dízimo é obrigatório pois não é!

Olhe ao seu redor que encontrará um milhão de situações para usar os recursos que o Pai lhe deu. Basta ficar atento e com o coração aberto para isso. Existem tantos necessitados ao nosso redor, tantas viúvas que passam dificuldades, tantos desempregados. Os seus recursos financeiros são bênçãos de Deus. Use-os com sabedoria e não só para você, já que há pobres e necessitados bem diante dos seus olhos.

“A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo.” (Tiago 1.27)

“Quem tem ouvidos para ouvir, OUÇA!”

SEGUE ABAIXO, DOIS LIVROS DE FRANK VIOLA, EM PDF, IMPERDÍVEIS:

Cristianismo pagão:
http://www.souescolhido.com/public/Cristianismo_Pagao.pdf

Reconsiderando o Odre:
https://docs.google.com/a/digitalbee.com.br/file/d/0ByAZ5o72Xdz7NS1hTVhQb0FiWGM/edit

Fonte:
Livro Cristianismo Pagão, de Frank Viola – Capítulo 7. Pag. 101
www.cristoeaverdade.net
http://www.jba.gr/
http://www.estudosdabiblia.net/ (artigos de Dennis Allan)

42 Comments

  1. PASTORES E IRMÃOS EM CRISTO.
    Uma PERGUNTA: Sou DIZIMISTA fiel, mais eu perdi o emprego, estou desempregado. Não vou poder continuar sendo DIZIMISTA fiel. Minha pergunta é: A IGREJA vai me ajudar com as minhas necessidades, de ALUGUEL, COMPRA MENSAL, PAGAMENTO DE ÁGUA E LUZ, prestações de compra de roupas, e calçados, já vencidas. Ou mesmo eu tendo sido FIEL nos DÍZIMOS, por tantos anos, e necessitando agora, vão me ajudar só com uma CESTA BÁSICA. Respondam se tiverem coragem. Pois deveria ser da mesma forma, AJUDAR O NECESSITADO, ainda mais se este é IRMÃO DA IGREJA, e é DIZIMISTA. Vou aguardar respostas para, ver e sentir o grau de AMOR dos nossos PASTORES. Meu email é alonsocarrera@hotmail.comFIQUEM NA PAZ DO SENHOR JESUS

  2. valmirsantos

    showwww… eu sempre estive atento a isto… Otimo texto Deus abençoe…

    • Maria

      Sobre o dízimo… muito bom destes ensinamentos aqui passados, aprendi muito, por exp: na igreja onde eu eu congrego, os pastores e bispos praticamente obrigam os fieis a dar o dízima e ofertas. Eles te entregam dois envelopes agrafados, um para o dízimo e outro para a oferta e ainda exigem que a oferta tem que ser do mesmo valor do dízimo. Querem que os fieis assistam as reuniões todos os dias e, todos os dias há uma valor estipulado para algum propósito e ofertas (dar o teu tudo, como eles dizem) para que Deus também possa te dar tudo.

  3. Sempre fui ssolidárioespiritualmen em dar minha doação para igreja cristã da qual participo, com muito amor e compreensão.
    Somente achei por ser delimita
    Mas larguei no meu entender. Nao dava para continuar e fiquei
    como antes.
    E venho estudando todo os dias, buscando o entendimento a respeito. Vejo que a prática está a mercê do jugo. Haja visto que a controvercia dessa questão, é. bastante polémica. Falam de Jesus com a mesma tonalidade hipócritas como antes: escribas e fariseus. Porque querem o pagamento do dízimo. Sem exceção de religião. Fugindo, negando, se omitindo e silenciando o caminho da verdade. QUANDO O PROPRIO
    JESUS CRISTO NOS FALA EM SUA PROFESSIA. Eu sou o caminho a verdade e a vida.
    QUEM CRER EM MIM E PRATICA AS BOAS NÃO PERECERÁ.

  4. josé pereira filho

    Parabéns! Gostei muito desses ensinamentos. Aprendi muito. Eu tava totalmente enganado.

    • João Carlos Pereira

      Irmão JOSÉ PEREIRA…Eu também combato o erro sobre este “dizimo” Hoje tão difundido nas igrejas de um modo geral, uma pena, pois ,antes de me converter eu já combatia este, sem ter entendimento! Imagine agora que vim a conhecer as Sagradas Escrituras. Adorei este SITE pois nos fala a verdade! E estou muito feliz pelo senhor, pois é raro alguém ter a finesse e a humildade de reconhecer perante muito que estava no erro! PARABÉNS e que nosso Deus te Abençoe muito.

  5. Flavio Nery

    Muito bom os ensinamentos aqui passados, concordo e acredito que assim como o Senhor supre as nossas necessidades, também suprirá as necessidades da sua igreja. Muitos hoje veem na religião um meio de se manter financeiramente e isto é um erro, pois Pedro disse em 1 Pedro 5:2 “Aconselho que cuidem bem do rebanho que deus lhe deu e façam isso de boa vontade, como Deus quer, e não de má vontade. Não façam seu trabalho para ganhar dinheiro, mas com o verdadeiro desejo de servir”. Então como podem pedir para confiarmos em Deus se eles mesmos não confiam? Mas também, irmãos, vejo pessoas que se dizem contra o dízimo, não pelo do que diz no Novo Testamento, mas sim por estarem totalmente apegados ao dinheiro e nisto não ajudam a igreja e nem aos necessitados.

  6. CESAR ALONSO CARRERA

    O PASTOR que não consegue seguir com a OBRA DE DEUS em sua igreja sem A PRÁTICA DO DÍZIMO só tem uma resposta: A IGREJA que ele pastoreia não é PLANO DE DEUS, e não é da Sua vontade, pois se fosse de fato uma CASA DE ORAÇÃO como diz DEUS em sua PALAVRA, DEUS SUPRIRIA de todas as NECESSIDADES pelas OFERTAS DE AMOR das OVELHAS DO SENHOR. Alguém DUVIDA disso? Hoje igrejas são abertas aos montões, a cada esquina abre-se uma, mais a FINALIDADE não é a SALVAÇÃO, a finalidade é o LUCRO FÁCIL. Meu email: alonsocarrera@hotmail.com.

    • Denilson Fernandes

      (x) Verdadeiro.

  7. Achei muito legal esses depoimentos. Muito bacana!

  8. Zirca

    Muito obrigada pelo esclarecimento. Tinha muitas dúvidas sobre o dízimo. Que Deus te abençoe por despertar a muitos de nós sobre este e outros temas. Continue de sentinela, de certeza que este esclarecimento é verdadeiro.Que Deus te oriente sempre. Se não se importar, gostaria de saber quanto a lei dos animais puros e impuros para se comer, principalmente a carne de porco.

  9. Álvaro Marinho

    Muito esclarecedor! Só não compreende quem ainda se encontra com o coração duro!

  10. Marli

    Gostei muito dá explicação, porque sou ofertante na igreja onde estou há 6 meses e sou dizimista. Lá é explicitamente dito que os​ 10 % do dízimo são obrigatórios, porque senão Deus não vai te dar nada, vc vai ficar desempregado, e a constância de que vc tem que ir em todos os cultos (lá tem culto 3 vezes por semana – só vou ao domingo), e qdo falto a Pastora fica reclamando.. e dizendo coisas que não me agrada, fazendo uma pressão em cima de mim. Quero ir para a igreja para me sentir bem e não pressionada, por obrigação. Obrigada pela explicação!

    • MARICENA

      DEUS NÃO E MERCENÁRIO, DEUS É AMOR. VOCÊ NÃO PRECISA DE BARGANHAR COM DEUS PARA RECEBER RECOMPENSA, POIS ELE É DONO DE TUDO. ELE NÃO PRECISA DO SEU DINHEIRO. ESTUDE MAIS A PALAVRA E VOCÊ VAI COMPREENDER O QUE É O AMOR DE DEUS POR NÓS. NÃO FIQUE EM LUGAR AONDE TEM LOBOS VESTIDOS COM PELE DE OVELHA. SEJA GUIADA PELO O ESPÍRITO SANTO, ELE VAI TE MOSTRAR O LUGAR CERTO PARA VOCÊ. QUANDO SE SENTIR AFLITA, leia … 5E, quando orardes, não sejais como os hipócritas, pois que apreciam orar em pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas, para serem admirados pelos outros. Com toda a certeza vos afirmo que eles já receberam o seu galardão. 6Tu, porém, quando orares, vai para teu quarto e, após ter fechado a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará plenamente. 7E, quando orardes, não useis de vãs repetições, como fazem os pagãos; pois imaginam que devido ao seu muito falar serão ouvidos. …

    • Carlos

      Experimente ver como funciona no salão do reino das testemunhas de Jeová

    • NR

      Marli… Congreguei assiduamente em um ministério por 15 anos. Nessa igreja eu passei o final da adolescência, me casei… Lá, assim como no local onde você congregou/congrega havia uma insistência em que nós participassemos de todos os cultos, reuniões e ensaios que haviam na igreja, senão, estávamos em rebeldia. Resumindo, quase destruí meu casamento. Deixava o meu ministério de dona de casa e esposa de lado para estar sempre dentro da igreja. Hoje, após ter passado por muito sofrimento, cheguei ao esclarecimento de que quando a palavra fala que Deus deve ocupar o primeiro lugar em nossas vidas, ela está se referindo a Deus e não a igreja. Infelizmente muitos líderes acabam fazendo uma verdadeira lavagem cerebral nas pessoas, que as fazem confundir a igreja( templo) com o próprio Deus. Deus é Deus, a igreja somos nós e o templo é o templo.

  11. Leandro Geraldo Nascimento

    Obrigado meu Deus!
    Por não me deixar se enganado.

  12. Iracy

    Obrigado pelo ensinamento bíblico sobre este assunto. Porém temos que dar com amor e alegria. Ficam na paz.

  13. Meu nome e yan e a pouco tempo mudei de igreja e conheci um missionario da igreja batista e estou maravilhado pelos ensinamentos. Meu coraçao está em paz com Deus e sou muito grato por Deus ter colocado vocês nesse mundo de religiões crueis e sem amor ao proximo ..
    Jesus nos ensina a ser santo pela misericordia amem…

  14. Maria Rita

    Obrigada pelo esclarecimento,se fui atras do entendimento é porque sempre tive dúvidas,nunca concordei porque os Pastores das igrejas estipulam tantos valores para oferta além de praticamente te” obrigarem “a pagar o dízimo,caso contrário não serás salvo,segundo eles,o que não concordo,porque a sua salvação não depende da igreja que frequentas muito menos do Pastor ou do Padre ou de qualquer nome que domine sua religião. A salvação será individual,cobrada pelos seus próprios atos e caminhada na terra,faça o bem e tenha AMOR ao seu próximo,pois se o tiver verdadeiramente não farás mau e certamente serás manso e humilde de coração. Acho que doações e dízimos podem até ser feito,caso não te faltes, por exemplo pagar suas contas,e não ficar sem dinheiro para comprar um pão ou um leite em casa. Ore e converse com DEUS,ele sabe suas necessidades.As vezes vou ao culto e a cada culto volto para casa com um envelope novo, para voltar ao próximo culto com R$ 20.00 ou R$50.00 e as vezes até mais, isso fora a oferta, este envelope é para “algo” que o pastor solicitou,ou até aquele milagre que você pediu a DEUS, me sinto até mal em não poder doar sempre esses valores na igreja,eles te fazem imaginar que talvez você não ama DEUS e não quer ajudar,mas que tem dinheiro para gastar com outras coisas do mundo,bom que não tenho uma mente fraca e sei que DEUS vai continuar me amando mesmo que eu não consiga levar o dízimo,é que as vezes nem tenho mesmo e considerando o mês todo juntado ofertas, envelopes e dízimos é muita grana que pesa no meu orçamento me deixando com contas pendentes. Mas enfim, sei que DEUS ajuda e ama a nós, procuras com todo teu coração e o encontrará. TE AMO MEU DEUS <3

  15. Jeremias fe oliveira

    Boa noite.
    Gostei muito do esclarecimento sobre o dízimo. Jesus cristo carregou sobre Ele os nossos fardos, a nova Aliança nos liberta do jugo da lei.

  16. Muito bom esse texto desde qd aprendi o q significava o dízimo e pq eram pagos, tirei esse fardo do meu ombro. Meu esposo é assembleiano de berço e n concorda. Eu já fui tb e agora voltei por ter me casado c ele. Mas n sigo regras e preceitos do homem sigo a bíblia. Dou ofertas e do valor q posso. Mas dízimo há quase dez anos parei de pagar. E nem por isso Deus deixou de me abençoar. Como falam por ai. Q Deus abençoa quem é fiel no dízimo. Q Deus abençoe este servo por palavras tão esclarecedoras. E td dentro da bíblia.

  17. Sim o dízimo nunca foi obrigatório, como todas as coisas no evangelho não são. Deus nos deu o livre arbítrio. Primeiro que o dízimo não é lei mosaica e nem cerimonial.O dízimo nasceu com Abraão, quando o mesmo entregou os despojos para o sacerdote Melquisedeque. Logo o dízimo não é lei, é questão de Fé. (Hebreus 5) diz que Jesus é um sacerdote da linhagem de Melquisedeque, logo o mesmo ao qual recebeu os dízimos de Abrãao. Logo quem toma os dízimos é homem mortal, mas quem abençoa é Deus, certamente o maior será abençoado pelo menor (Hebreus 7.4-7).Entregamos os dízimo não porque é lei, dízimo nem lei é, mas entregamos por fé, e cremos que como diz o livro de Hebreus, Jesus é nosso sumo sacerdote, o Cabeça da Igreja. Em (Mateus 23.vers 23) ensina que devemos ser equilibrados, o que adianta só entregar dízimos e esquecer do mais importante, o amor, a misericórdia, porém devemos exercer estas coisas sem “omitir aquelas” ou seja Jesus estava orientando que devemos exercer o amor, a misericórdia, mas não omitir o dízimo e a oferta. Em relação em dar aquilo que sobra, Jesus apenas afirmou que uma viúva pobre ofertou mais que os ricos que ali estavam, pois deu de tudo o que tinha, e os ricos do que sobrava.Nem precisa de explicação isto daí.

    • Só que todos sabem muito bem que todos os pastores pregam que é sim um mandamento e uma obrigação, porém agora você está dizendo que é pela fé, mas todos sabemos que isto não é verdade, Pois todas as igrejas evangélicas, eu sou evangélico, todas elas Dizem que o dízimo é um mandamento sim mas não é não adianta você dizer que dá o dízimo é pela fé, pois todos os pastores que eu conheço inclusive o Silas Malafaia, Valdomiro Santiago, Bispo Edir Macedo, todos estes falam que é obrigatório e que se não derem os dízimos, estão sendo ladrões e não herdarão o reino dos céus por serem ladrões…

      • Cristovão Roberto Pereira

        Concordo com você Alexandre. Como diz a palavra. Jesus ao morrer na cruz ele mudou o sacerdócio e ensinou novas mudanças abolindo as leis do velho testamento inclusive o dízimo. E quem não seguir este conceito está negando o Próprio Jesus.

    • Elon

      Primeiro comentário sensato que li.
      Parabéns Fernando.

      O cara não tem fé p entregar os dízimos e ofertas e quer ter fé para Deus abrir as portas da prosperidade p ele.

  18. Nancí |Alexandre de Figueiredo

    Muito agradecida por esclarecer a questão do Dízimo. Sentia-me culpada por substituir o Dízimo, por ofertas que me eram possíveis fazer. Esclarecedor.

    • Maria da Luz

      Muito grata por tirar de mim um grande peso, pois quero muito frequentar uma igreja pequena que tem aqui perto de minha casa mas, fico constrangida em relação as pessoas que contribuem com o dízimo. Assim vai ser bem mais prazeroso participar.

  19. Viana

    Para você deixar de cumprir a Lei de Moisés, e não perder a graça de Jesus Cristo, na sua contribuição apenas troque o nome “Dízimo” por “Oferta”. Simples, não!!! Quanto ao valor a ser ofertado, faça, sem constrangimento nenhum, o que está escrito em 2ª Corintios 9:7. Depois vc vai observar também que a promessa de Deus pra vc, segue também em 2ª Corintios 9:8.

    Deus abençoe a todos em nome do Sr. Jesus.

    PS.: Convencer os Assembleianos sobre esse assunto não vai ser fácil. Os apóstolos de Jesus também não tiveram moleza em seu trabalho de evangelização.

    • Edson

      Os apostolos de Jesus faziam o correto, vc está criando desculpas para não devolver o que é de Deus, pois tem o dinheiro em primeiro lugar no coração, em lugar de Deus.

    • Marco Antonio

      verdade gostei da sua definição

  20. Cris, me diga uma coisa. Para guardar o sábado não poderei cuidar do almoço para a família, varrer a casa e nem lavar os pratos? Por favor, me ajude a me tornar uma pessoa conhecedora da verdade de Deus.

    Não estou mais indo para nenhuma igreja. Por causa disso estou em pecado? Tbm não sou batizada. Estarei em pecado se não me batizar? Só posso ser batizada por um pastor ou pastora? Quem poderá me batizar?

    Abraço.
    Fátima

    • Evangelho Perdido

      Olá, irmã Fátima.
      Antes de mais nada, nunca perca de vista que o seu SÁBADO é Cristo. Siga a Cristo e a sua maneira de viver, de ser… e de guardar o sábado. Como foi essa maneira? SEM LEGALISMO. Todo o legalismo imposto sobre a questão é farisaico, pesado.

      No seu coração consagre esse dia para aquietar da correria da semana, para meditar e estudar a Palavra, para ficar em família, para visitar ou telefonar para pessoas que estão precisando de uma alento, consolo (e tantos precisam). Enfim, Fátima, fazer comida, lavar louça, ou qq coisa similar, não passam de um detalhe nesse dia especial, que não tem problema ser feito ou não. Consagre esse dia ao Pai.. Ele é a nossa vida. O sábado é como um memorial especial.. só para Ele.

      Um abraço carinhoso.

  21. Eraldo

    Aproveita a colheita e manda um saco de feijão e um Boi pros imãos que estão no campo missionario

    • Evangelho Perdido

      Olá, irmão Eraldo! Para alimentar e sustentar um obreiro ou mais nos campos missionários eu posso enviar ofertas diretamente para ele, e o faço há anos. Deus ama ao que dá com alegria, ao que segura as cordas daqueles que necessitam, seja um missionário ou não. Todos os nossos recursos só existem para abençoar o próximo necessitado. Sempre precisamos olhar ao redor também.

      O artigo não está ensinando a ninguém parar de ofertar e abundantemente. O artigo está apenas mostrando, biblicamente, que o DÍZIMO, no formato solicitado hoje pelas igrejas (baseados em textos bíblicos, aliás), não é BÍBLICO.

      Um abraço carinhoso.

  22. GOSTEI MUITO DESSE ARTIGO SOBRE O DÍZIMO. FIQUE ESCLARECIDO! OBRIGADO.

  23. jhonson

    A lei de Deus resume-se no amor. Os 4 primeiros mandamentos é amor a Deus, se vc cumpre todos os 4 vc está PROVANDO que ama a Deus. Os outros 6 mandamentos é amor ao próximo, se vc guarda os 6 mandamentos direcionados ao próximo, vc está provando q ama o seu próximo. Mas, se vc tropeçar num só mandamento…( Tiago 2:10 )

  24. Roberto Reis

    Pois é… Em muitas igrejas, dizem que o os dez mandamentos foram abolidos… Mas o dízimo está lá, sendo cobrado, normalmente!

  25. luiz

    Estas leis que o nosso Jesus Cristo cumpriu no madeiro, Ele cumpriu os Dez mandamentos juntos ou essa é uma lei separada pra todos os povos, e ela permanece em vigor, porque sou um guardador do sabado.

    • Os dez mandamentos não, somente as ordenanças mosaicas.

    • Os Dez Mandamentos não foram abolidos. Nenhum deles. Ele se resume em dois: Amar a Deus sobre tudo (primeiros 5 mandamentos) e o teu próximo como a ti mesmo (os 5 últimos mandamentos). O que foi abolida foi a lei mosaica!

      • Foi muito esclarecedor! Agradeço por ter me tirado dúvidas, apesar de lermos a bíblia e não prestarmos as devidas atenções nas escrituras. DEUS a abençoe e muito obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *