Trindade: Doutrina pagã ou bíblica?

Trindade: Doutrina pagã ou bíblica? – Parte 1

Por todo mundo antigo, remontando a Babilônia, a adoração de deuses pagãos agrupados em três, ou tríades, era comum. Esta influência era também prevalecente no Egito, na Grécia, e em Roma nos séculos antes, durante e depois de Cristo. E após a morte dos apóstolos, tais crenças pagãs passaram a invadir o cristianismo.

No prefácio do livro The History of the Decline and Fall of the Roman Empire: 1776–1788 ( A História do Declínio e Queda do Império Romano), de Edward Gibbon, lemos: “Se o paganismo foi conquistado pelo cristianismo, é igualmente verdade que o cristianismo foi corrompido pelo paganismo. O puro deísmo dos primeiros cristãos foi mudado, pela igreja de Roma, para o incompreensível dogma da trindade. Muitos dos dogmas pagãos, inventados pelos egípcios e idealizados por Platão, foram retidos como sendo dignos de crença. O dicionário do Conhecimento Religioso menciona que muitos dizem que a trindade “ é a corrupção emprestada de religiões pagãs e enxertada na fé cristã”. E “O Paganismo no Nosso Cristianismo” declara: “A origem da (Trindade) é inteiramente pagã.

Há atualmente uma diversidade de ensinamentos tidos como verdadeiros. Mas uma coisa precisa ficar muito clara: De um lado temos os ensinamentos de Deus e do outro lado os ensinamentos dos homens.

Os reformadores Protestantes saíram da igreja papal mas trouxeram consigo algumas doutrinas pagãs. Doutrinas essas que são ensinadas com tal força e convicção, que continuam sendo consideradas verdades absolutas desde o tempo que CONTAMINARAM as doutrinas verdadeiras dos apóstolos. As falsas doutrinas são muito nocivas, pois resultam em uma igreja sem poder, que não transforma o mundo mas é facilmente transformada por ele.

Os reformadores ficaram diante de uma maravilhosa oportunidade quando se desvincularam de Roma “no papel”. Parecia que novamente a adoração mais pura e descontaminada, como era no início, estaria restaurada. Mas não foi assim que aconteceu, caro leitor. Os reformadores protestantes protestaram, protestaram, mas trouxeram da GRANDE E PODEROSA MÃE muito do seu paganismo.

Foram diversas falsas doutrinas, tais como, imortalidade da alma, batismo infantil, reunião em templos, morada no céu, etc.. mas o mais grave de todos esses falsos ensinos foi a TRINDADE.

O principal benefício da Reforma foi que as Escrituras voltaram para as mãos dos servos do Altíssimo. E muitos destes, individualmente ou em grupo, pesquisaram, estudaram, meditaram nela e foram revelados do caminho puro, foram revelados sobre as “veredas antigas” e santas e retornaram a elas.

A Reforma NÃO foi longe o bastante. NÃO foi tudo que ela precisava ser, pois erros da Igreja Romana foram mantidos. Outra reforma se faz necessária hoje, para livrar a Igreja de todos os erros pagãos e retornar às verdadeiras doutrinas das Escrituras? Acredito FIRME que não haverá mais reformas, caro leitor. O que haverá é uma gradual e constante purificação APENAS no coração de um remanescente e não restauração de denominações. Estes, os verdadeiros adoradores, no tempo certo se livrarão de todo paganismo completamente. E aqueles que resistirem até o fim reinarão com o Messias eternamente.

Já disse isso em outros artigos mas não me canso de repetir. Pesquise, estude, medite nas Escrituras. Pesquise na história da igreja no início da mesma, leia artigos de estudiosos bíblicos sérios e pegue estes ensinos e confira nas Escrituras. Os que não pesquisam ou não se aprofundam nas investigações, acabam sendo enganados por aqueles que dizem ser os portadores da verdadeira mensagem do Altíssimo.

A doutrina da trindade é nociva por vários aspectos, mas o principal é retirar do Pai Eterno o lugar que é devido SOMENTE a Ele. Não existe outro Deus. Há um só Deus e esse Deus é o Pai de nosso Salvador e amado Messias. As palavras de Jesus foram muito claras a esse respeito:

“E a vida eterna é esta: que Te conheçam a Ti, como único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, aquele que Tu enviaste.” (João 17:3)

O apóstolo Paulo, o escolhido para pregar aos gentios, apresentou o mesmo Deus de nosso Senhor Jesus:

“Pois, ainda que haja também alguns que se chamem deuses, quer no céu quer na terra (como há muitos deuses e muitos senhores), todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós vivemos; e um só Senhor, jesus Cristo, pelo qual existem todas as coisas, e por Ele nós também.” (I Coríntios 8:5-6).

Essa rejeição às palavras de Jesus e às palavras do apóstolo Paulo tem sua história. Por isso precisamos entendê-la.

QUANDO, ONDE E COMO ESTE ENGANO SE INICIOU?

Muitas doutrinas foram introduzidas gradativamente pelo paganismo no seio do cristianismo durante os primeiros séculos da era da Igreja. E a doutrina da trindade foi uma delas.

“…os cristãos do segundo ao quarto século, …foram forçados gradualmente na direção da formulação explícita da doutrina da trindade.” (Revista “Parousia”, ano 4 – Nº 2, pág.5, editada especialmente para defender a doutrina da trindade).

Como os cristãos primitivos do primeiro século desconheciam a doutrina da trindade, esta tinha que ser imposta gradualmente pela Igreja Romana já a partir do segundo século. Naquele período, a igreja cristã passou a ter conflitos internos por causa de doutrinas estranhas que pretendiam misturar-se às verdades bíblicas. Entre as doutrinas em conflito, podemos mencionar: a Trindade, a natureza de Cristo, o papel da virgem Maria, o celibato e a autoridade da Igreja. Nesse período da história, a Igreja não foi capaz de manter pura a adoração ao único e verdadeiro Deus, nem prestou obediência fiel à Sagrada Escritura. Contaminou-se com uma montanha de tradições humanas e costumes pagãos.

“Os primeiros cristãos, porém não seguiam o conceito da Trindade. Foi somente a partir do século 4 que a realidade trinitária de Deus passou a ser discutida na Igreja Católica. O Islamismo e o Judaísmo chegaram a acusar o Cristianismo de ter pervertido o monoteísmo por causa da trindade.” (Revista Superinteressante, de março/2004, pág. 28).

“Foi a Igreja em tempos posteriores quem elaborou os detalhes da Trindade.” (Revista “Parousia”, ano 4, No. 2, pág.10). Esta afirmação tem fundamento, pois foi através do trabalho dos apologistas que a doutrina da trindade começou a ser estudada e defendida no seio da igreja cristã. O apologista Atenágoras, foi possivelmente o primeiro a defender “filosoficamente” a doutrina da trindade.

No livro “Depois de Jesus, o Triunfo do Cristianismo”, da Reader’s Digest, os historiadores resgataram a verdadeira história do cristianismo dos primeiros séculos, confirmando o que os teólogos publicam na atualidade. Deste livro extraímos um fato histórico de grande relevância:

“Era o ano 177. Atenágoras fez notar que, se tantas doutrinas religiosas diferentes eram toleradas no seio do Império, seria justo que o cristianismo o fosse também. Servindo-se dos seus vastos conhecimentos de filosofia grega, explicou como a fé cristã num Deus único era semelhante ao conceito clássico da unidade de Deus. Foi possivelmente o primeiro a defender filosoficamente a Trindade, ao tentar demonstrar que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são um só Ser. O objetivo dos apologistas foi demonstrar que o cristianismo incorporava os ideais gregos de virtude e razão. Mas alguns cristãos discordavam: achavam que a filosofia estava demasiadamente imersa na cultura pagã e recusavam-se a ver a sua fé em Jesus, recentemente revelada, apoiada por argumentos filosóficos.(pág. 141). Do mesmo livro, na página 140, lemos o seguinte:

“O mais famoso dos primeiros apologistas foi Justino, o Mártir. Pagão, nascido por volta de 100 em Flávia Neápolis, aprendeu filosofia grega, especialmente a doutrina de Platão, convertendo-se ao cristianismo ainda jovem.”

A doutrina da Trindade não é uma doutrina bíblica, mas pagã.

Embora muitos pensem que a doutrina da trindade é bíblica, na verdade, não é. Ela é uma falsa doutrina copiada dos povos pagãos e introduzida no cristianismo pela igreja romana. Desde os tempos remotos, muitos povos idólatras já eram adeptos a ideia trinitária, porém, a Palavra do SENHOR diz:

“Quando entrares na terra que o SENHOR, teu Deus, te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos.” (Deuteronômio 18:9). E diz mais:

“Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR.” (Deuteronômio 6:4)

A astúcia de Constantino

Constantino (272-337d.C), o primeiro imperador cristão, como afirmam os católicos, usou a astúcia com único intuito de unir o seu vasto domínio; e para isso, dizia ter se convertido ao cristianismo para obter o apoio dos cristãos; no entanto, não se absteve de renunciar de suas práticas pagãs, para também garantir o poder e apoio dos não cristãos. A manobra de Constantino foi puramente política e, a igreja que já estava cansada de tanta perseguição, acabou por aceitar Constantino como o seu líder.

A filosofia greco-romana era mais aceitável na Europa do que o Cristianismo; por isso, para que houvesse maior aceitação no Império, rapidamente, Constantino tratou de juntar o Cristianismo com as religiões pagãs e “mistificá-lo”, resultando naquilo que ainda hoje ouvimos de muitas pessoas: “Deus é um só, não importa a religião”.

Os romanos eram devotos a Mitra, Apolo e Cibele. O primeiro foi substituído por Pai Criador; o segundo pelo Cristo; e a terceira pela Virgem Maria. Esta prática já era conhecida desde os tempos da Babilônia, quando Nabucodonosor mudou os nomes hebraicos que bendizem a Deus, por nomes babilônicos que bendizem a deuses pagãos (Daniel 1:7). Mais tarde, substituiu a Virgem pelo que hoje chamam de Terceira Pessoa da Trindade.

Aproveitando a popularidade crescente do Cristianismo, Constantino ordenou a substituição da Festa de Mitra que ocorria em 25 de dezembro pela Festa de Natal (clique aqui e conheça mais sobre esse assunto). Então, no Concílio de Nicéia (325 d.C), esses e outros assuntos foram oficializados como doutrinas cristãs.

A igreja primitiva nunca teve dúvidas do que diz a respeito da unicidade de Deus. São doutrinas profanas criadas por homens sem o Espírito de Deus. O Senhor já dizia a respeito dos filósofos do mundo:

“E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.” (Marcos 7:7)

Esta doutrina não é mencionada e nem ensinada na Bíblia. Esta doutrina era desconhecida pelos israelitas do Velho Testamento e pelos cristãos primitivos do Novo Testamento. Não há autoridade bíblica para a trindade. O que os teólogos fizeram e fazem é buscar nas entrelinhas das Escrituras algum gancho para defender tal doutrina, utilizando-se inclusive de meios ardilosos, tais como a prática de incluir ou torcer os textos sagrados da Bíblia.

A doutrina da trindade é de origem pagã. A trindade, assim como outras doutrinas, tais como imortalidade da alma, morada nos céus, sofrimento eterno no lago de fogo e muitas outras, foram gradativamente incorporadas pelos filósofos e teólogos da Igreja durante os primeiros séculos da era do cristianismo. Eles eram pagãos não completamente convertidos e tornaram-se membros da Igreja cristã. Como esses homens assumiram lugares de liderança, como professores e teólogos, a teologia da Igreja gradualmente paganizou-se. Os ensinamentos da Bíblia foram reinterpretados e ajustados para se adaptarem aos ensinamentos da filosofia pagã.

Origem da palavra “trindade”

Teófilo, bispo de Antioquia da Síria, foi o autor do uso da palavra “trindade” em sua forma grega “trinas” no oitavo ano do reinado de Marco Aurélio (168 A.D.). Ele usou a palavra no segundo dos três livros que escreveu, endereçados ao seu amigo Autólico. Ao comentar o quarto dia da criação no Gênesis, ele escreveu:

“Da mesma maneira também os três dias que foram antes dos luminares, são tipos da trindade, de Deus, de Sua palavra, e Sua sabedoria.” (Teófilo, “Para Autólico”, The Ante-Nicene Fathers).

Tertuliano (160-220 A.D.) foi o primeiro a usar a palavra latina “trinitas”. Educado em Roma e presbítero em Cártago, Tertuliano lançou as bases da Teologia Latina, a qual mais tarde foi apoiada por Cipriano e Agostinho. Tertuliano expressou sua teologia nos termos da filosofia de Platão. Ele estava entre os primeiros a ensinar a imortalidade da alma e a tortura eterna dos ímpios. A trindade e a imortalidade da alma foram desenvolvidas dentro de um sistema de teologia por Agostinho.

Os escritos de Agostinho tornaram-se a teologia básica da Igreja Romana. Tertuliano menciona a trindade em seu livro escrito contra Praxeas que apoiava a teoria manarquiana. Ele escreveu:

“O mistério da dispensação ainda está guardada, que distribui a Unidade numa trindade, colocando em sua ordem as Três Pessoas – o Pai, o Filho e o Espírito Santo.” (Tertuliano. “Contra Praxeas” – The Anti-Nicene Fathers).

Na revista “Parousia”, ano 4, No. 2, pág. 34, encontramos uma declaração reveladora:

“Mas talvez alguém pergunte: por que este termo (trindade) não aparece na Bíblia? Para responder a esta questão é preciso compreender que, a partir do século segundo, o centro missiológico da Igreja transferiu-se em definitivo do ambiente judeu-palestino para o mundo greco-romano. O trabalho iniciado por Paulo entre os gentios vê-se finalmente estabilizado no ambiente gentílico e começa a gravitar em torno de questões que não haviam sido levantadas no ambiente judaico. A Igreja viu-se, então, obrigada a expressar sua fé de um modo compreensível para aqueles que não vinham de uma cultura vétero-testamentária, mas tinham seu pensamento regido pelos conceitos da filosofia grega.”

O autor deste artigo confessa publicamente que a questão da trindade não havia sido levantada no ambiente judaico. Ora, se os judeus (incluindo aí o Messias e todos os apóstolos) não ensinaram a doutrina da trindade, concluímos que esta falsa doutrina foi idealizada fora do ambiente judaico, mais precisamente pela Igreja Romana, através de seus apologistas, os quais expressaram seus conhecimentos teológicos com base na filosofia grega de Platão. A partir de então, o cristianismo paganizou-se, afastando-se definitivamente das orientações do Altíssimo.

A doutrina da trindade tornou-se oficial em 381 dC.

A formulação da doutrina da trindade gerou controvérsias entre dois líderes da Igreja em Alexandria, no início do quarto século: Ário (256-336 AD) e Atanásio (293-373 AD). Ário mantinha a ideia de que o Messias, embora grande e poderoso acima da terra e debaixo do céu, era de alguma maneira inferior à Deus. Atanásio, pelo contrário, afirmava que Cristo era igual à Deus em todos os aspectos. Em 318 AD, a controvérsia veio à tona. Ário afirmou que se o Messias era realmente Filho de Deus, então deveria ter havido um tempo em que havia um Pai, mas nenhum Filho. O Pai, portanto, era maior do que o Filho. Num Concílio da Igreja local celebrado em 321 AD, Ário e seus colaboradores foram excomungados da Igreja por causa de sua opinião e ele foi pintado como o herege dos hereges.

A falsa teoria da trindade levou algum tempo para alcançar uma posição dominante na Igreja. Nesse meio tempo, o imperador Constantino tornara-se o maior partidário do Cristianismo. O imperador considerava a Igreja como uma grande força unificadora e estava ansioso para que o Cristianismo se tornasse a religião universal do Império Romano. Ele queria evitar todas as lutas internas da Igreja, arrazoando que deveria haver uma Igreja unida e consequentemente um império unificado.

Para buscar restaurar a unidade, Constantino convocou uma assembleia de prelados da Igreja celebrada na cidade de Niceia, em 325 AD. Bispos e o clero de todas as Igrejas foram convidados para assistirem ao Concílio com todas as despesas pagas pelo imperador. O Concílio de Niceia, entretanto, não era verdadeiramente representativo, pois entre os 318 bispos presentes, além de oficiais eclesiásticos menores, destes nem sequer dez bispos da região oeste se fizeram presentes. Assim, o Concílio de Niceia foi um Concílio de Igrejas maciçamente representado apenas pela região oriental do Império.

Eusébio, conhecido como o Pai da história da Igreja, no início do Concílio ofereceu um credo com uma linguagem idêntica das Escrituras Sagradas, em vez dos termos filosóficos usados por Atanásio. Os seguidores de Atanásio percebendo que ao darem um voto para Eusébio, estariam dando um voto a Ário, decidiram rejeitar o credo. O imperador Constantino, embora ignorante com relação aos fatos teológicos em discussão, mas ansioso por alcançar unidade, apoiou Atanásio. Aqueles que não assinaram, incluindo Ário, Eusébio e Teognis de Nicéia, foram banidos e seus livros queimados publicamente.

O debate sobre o tema prosseguiu, até que em 381 AD o imperador Teodósio convocou um Concílio em Constantinopla. Foi assistido por cerca de 150 bispos do oriente. Foi neste Concílio que a doutrina da trindade tornou-se oficial em todas as fronteiras do império. Todos os que discordaram foram expulsos de seus púlpitos e excomungados de suas igrejas. Era o regime totalitário dos imperadores romanos e mais tarde da Igreja Romana.

E essa doutrina espúria foi imposta pela Igreja Romana. Desde aquela época até hoje, milhares de fiéis seguidores da Palavra do Altíssimo são perseguidos e expulsos de suas igrejas por não apoiarem esta teoria anti-bíblica. Esta doutrina, vigente até hoje, é designada por alguns historiadores como Credo Niceno-Constantinopolitano.

Esta doutrina tornou-se o elo principal de ligação das igrejas protestantes com a Igreja Romana

Na Carta Encíclica “Ut Unun Sint”, de 25 de maio de 1995, o papa João Paulo II declarou textualmente o seguinte. Preste bastante atenção:

“Também surgiu entre os nossos irmãos separados, por moção da graça do Espírito Santo, um movimento cada vez mais intenso em ordem à restauração da unidade de todos os cristãos. Este movimento de unidade é chamado de ecumenismo. Participam dele os que invocam o Deus Trino …” (grifo nosso)

A única exigência para ingressar e iniciar o diálogo ecumênico é invocar o Deus Trino, percebem onde isso vai dar (vejam o artigo “Tempo do fim: Ecumenismo é um item na agenda satânica!)? Para a Igreja Romana, as outras doutrinas o batismo por imersão, a crença na mortalidade da alma, etc, não interferem no diálogo inicial para a unidade dos cristãos. Segundo esse documento, as discussões serão progressivas com a finalidade de diminuir as demais divergências.

Conheça, então, as bases teológicas da doutrina da Trindade:

Trindade é a crença na existência de um Ser divino que subsiste em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. O dicionário Webster define a palavra da seguinte maneira:

“A união de três pessoas (o Pai, o Filho, e o Espírito Santo) numa Divindade, de modo que todos os três são um Deus, com relação à substância, mas três pessoas com relação à individualidade.” (Webster´s Collegiate Dictionary – 5ª. Edição).

Os trinitarianos, assim denominados os que defendem a doutrina da trindade, não crêem que as três pessoas são uma pessoa ou que as três pessoas são três deuses. Eles crêem em três pessoas que constituem um Deus.

Existem três propostas primárias envolvidas na doutrina da trindade:

a) A unidade composta de Deus

Os trinitarianos afirmam acreditar na unidade composta de Deus. Caso eles não acreditassem em um Deus único, sua doutrina seria interpretada como politeísta. Eles não creem na unidade do Eterno como é ensinada nas Escrituras. Rejeitam a verdade bíblica de que existe apenas uma Pessoa que é Deus. Os trinitarianos creem que existe uma única substância, uma inteligência e um propósito na Divindade, mas que três pessoas eternamente co-existem daquela essência única e exercitam aquela única inteligência, e único propósito.

b) A divindade do Pai, do Filho e do Espírito Santo

O segundo ponto que os trinitarianos buscam estabelecer é que o Pai é Deus, o Filho é Deus e o Espírito Santo é Deus. Tentam mostrar que cada um é mencionado como sendo Deus e que cada um possui os atributos da Divindade como: imortalidade inerente, onipotência, onipresença e onisciência.

c) A personalidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo

Os trinitarianos procuram provar que o Pai é uma pessoa, que o Filho é uma pessoa e que o Espírito Santo também o é. Cada pessoa da trindade é admitida como completamente Deus, dentro de Si mesma. Juntas, as três pessoas compartilham em comum a essência única, todos os atributos, uma substância, uma inteligência e um propósito.

A fragilidade desta doutrina

Para anular, desmantelar a doutrina da trindade completamente, basta provar biblicamente (o que é muito fácil) que um destes três pilares não corresponde a verdade. Basta um dos três ser biblicamente provado e pronto:

a) A unidade de Deus não é composta.
b) Jesus não é Deus.
c) O Espírito Santo não é uma pessoa.

É isto será feito nessa série de estudos, caro leitor. Não deixe de ler todos os artigos sobre o assunto.

O que focaremos primeiro nesta série de estudos?

Já que a maior parte dos estudiosos concordam de que I João 5:7 e 8 foi uma adição posterior à elaboração do original, estando já ausente de muitas versões fiéis ao original, a responsabilidade de sustentar a doutrina da Trindade recaiu fortemente sobre Mateus 28:19 e João 14:16, que falam respectivamente sobre o batismo “em nome do Pai, do Filho e do espírito Santo” e sobre o “outro” Consolador prometido por Cristo. Só o fato de ser evidente que houve adulteração na tradução em I João 5:7, já era motivo suficiente para esta doutrina ser tratada como uma farsa. Mas, nem isso incomoda os ferrenhos trinitarianos.

Além destes textos, os defensores da teoria da trindade costumam alegar que algumas ações do espírito do Eterno são próprias de pessoas, além disso existem versos que citam o Pai, o Filho e o espírito. Tais referências, segundo os trinitarianos, serviriam como evidências da existência da trindade. Antes de comentar estes textos, é importante ressaltar que a palavra trindade não aparece em nenhum lugar na Bíblia.

A doutrina da trindade não é um mistério, mas um atentado à lógica, especialmente por violentar o mais elementar conceito sobre quantidade: Três deuses constituem um só Deus. Essa violência só seria admissível com uma explicação bíblica, para isso como já citamos, os trinitarianos apresentam três textos para “provar” a existência da trindade: I João 5:7, Mateus 28:19 e João 14:16.

No próximo artigo vamos analisar detalhadamente estes textos bíblicos usados para defender a doutrina da Trindade. Não deixe de voltar.

Veja abaixo um documentário MUITO INTERESSANTE, produzido pela National Geografic, sobre um breve resumo da história da igreja e como se deu a oficialização da Doutrina da Trindade:

Segue abaixo a cópia de página da Revista (Ecumênica) das Religiões, da Superinteressante (Edição de Março de 2004, pág. 28) em que se afirma que a Igreja Cristã primitiva NÃO ADORAVA A TRINDADE, e que a “realidade trinitária de Deus” foi definida “a partir do 4º século”.

Quem tem ouvidos para ouvir, OUÇA!

Fonte:
Livro A História do Declínio e Queda do Império Romano, vol. I, 1776, volumes II, III, 1781, volumes IV, V, VI, 1788-1789). Tudo Londres: Strahan & Cadell.
Livro “Eu e o Pai Somo Um”, de Ricardo Nicotra
Livro “A Igreja dos Primeiros Três Séculos”, do Dr. Alvan Lamson
Livro “The Theology of Tertullian (A Teologia de Tertuliano)”
Livro “Gramática Elementar da Língua Hebraica”, de Hollenberg & Budde
Revista Superinteressante, de março/2004, pág. 28
www.present-truth.org/
averdadeacimadetudo.tripod.com/VolumeI.htm
Enciclopédia Britânica
Enciclopédia da Religião – Canney

50 Comments

  1. José Eduardo

    Boa tarde,

    Eu cresci ouvindo que Deus sempre foi, é e sempre será único.
    Certa época da minha vida, quase me deixei levar por essa mentira diabólica da trindade, mas hoje eu continuo crendo que existe somente um Deus, a bíblia fala de apenas um Deus.
    Excelente trabalho, dificil achar boas explicações sobre esse assunto.

    Parabéns pelo excelente texto.

  2. Elilian Pedrosa

    O grande problema é que a maioria acredita na trindade , eu quase acreditei também, mas comecei a pesquisar e estou vendo que a Trindade é uma mentira

  3. Vera Hilario

    Torço para que esse trabalho tão bem escrito e esclarecedor ajude muitos sinceros que estão em religiões que ensinam não só esse, como outros dogmas falsos.

  4. Derivaldo Andrade

    “Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.” (1 João 5.20)
    “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”. (Isaías 9.6)
    “Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue”. (Atos 20.28)
    “Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e retivesses parte do preço da herdade? Guardando-a não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus”. (Atos 5.3-4)

    Só a título de curiosidade: você faz parte dos ‘testemunhas de Jeová”? Grato pela informação.

    • Evangelho Perdido

      Olá, Derivaldo!
      Eu nunca visitei os Testemunhas de Jeová e nem sei exatamente tudo que eles ensinam. Mas, segue abaixo o link para dois artigos bem interessantes que explicam o que eu penso sobre as várias denominações.
      http://www.evangelhoperdido.com.br/category/confusao-de-doutrinas/

      Quanto aos textos que me enviou, tenho muito o que dizer sobre eles, mas aguarde um estudo completo sobre a Divindade de Jesus que está para ser publicado. Não vai mais demorar.

      Um abraço carinhoso.

  5. Miguel Resplande

    Olá, Cris!
    O que seria o batismo no Espírito Santo ?

  6. Clinton

    Quem vê a mim, vê ao pai. O filho unigênito de Deus. Compartilha o mesmo espírito
    Jesus é filho de Deus, porém o Helohim está acima dele. Mais Jesus não deixa de ser Deus minha Amada irmã

    • Evangelho Perdido

      Olá, irmão Clinton!

      Ainda não postei no blog nenhum estudo sobre a Divindade de Jesus, mas estou quase terminando um detalhado estudo para postar. Não deixe de voltar ao blog, ok?

      Um abraço carinhoso.

      Cris

  7. Parabéns pela iniciativa, esse artigo ajudará muitas pessoas.

  8. Loana

    Nossa, estou lendo seu blog e chorando de alegria. É incrível como temos o mesmo entendimento sobre Deus. Nosso trajeto de vida, os questionamentos, as decisões também são bem semelhantes. Enquanto estava lendo alguns assuntos, pensei: “o que será que ela pensa sobre a trindade?”. A bíblia deixa tão claro quem é Deus e quem é o Filho. Fico muito feliz de conhecer pessoas como você que buscam interpretar a bíblia por si mesmas, buscando o conhecimento exato sobre Deus.

    Um grande Abraço !

  9. sergio augusto Lopes alves

    Amei os estudos! Graças a Deus por estes estudos, pois preciso.

  10. Marize

    “Dize: Deus é único, o Eterno e Absoluto, Jamais gerou ou foi gerado e nada(ninguém) é comparável a ELE”

  11. Jonas de Almeida

    Prezada Cris, paz em Cristo.
    Também creio que trindade é heresia, também como mentirosa a visão de inferno, sofrimento pós morte e alma ser fantasma que vaga e segue para o céu ou “inferno”. Porém não posso negar a Santidade de Cristo ser Deus, o mesmo Deus Verbo, criador, mas que se fez carne em forma de Cristo e nos guia através de seu Espírito como sua manifestação. Entendo que Deus é o mar, Jesus a onda que está no mar, mas não é mar e sim uma manifestação do mar e da mesma forma o Espírito Santo. Tudo isso através da sua onipresença. Um Deus único que se manifesta como quiser e está em todos os lugares.

    Então, porque jesus na terra tinha que orar e buscava a presença de Deus? Se você pegar um balde e encher de água do mar aquela água é mar no balde, não deixa de ser parte do mar, mas sem a plenitude do mar, os peixes, correnteza e as manifestações do mar não estarão mais presentes. Mas, se derramar esse balde de volta ao mar, ele será novamente mar. Penso que a trindade foi uma forma infeliz de trazer Deus a nossa natureza pessoal e finita sem tirar Jesus e o Espírito Santo do processo, porém penso que feriu os maiores mandamentos que é amar a Deus sobre todas as coisas e o temer, pois tirar a sua majestade única de o “Eu Sou” e não há outro além de mim é uma afronta imperdoável.

    • Evangelho Perdido

      Olá, Jonas!
      Amei a sua clara definição sobre o Pai e suas manifestações. Você, de maneira simples e linda, colocou seu entendimento sobre quem é Jesus.

      Eu ainda não postei NENHUM artigo sobre se penso ser Jesus DEUS ou o FILHO DE DEUS. Apesar de em nada isso mudar o que Ele significa para mim: MEU SENHOR E SALVADOR.. O MESSIAS PROMETIDO.. QUE MUDOU A MINHA VIDA E VIDA DE MILHÕES.. QUE VOLTARÁ E REINARÁ NESSA TERRA POR MIL ANOS, JUNTAMENTE COM OS SANTOS QUE VENCERAM, COMO ELE VENCEU… E, NO FINAL, PASSARÁ PARA AS MÃOS DO PAI TUDO QUE ELE TOMOU DAS MÃOS DE SATANÁS.. E DEUS SERÁ TUDO EM TODOS…

      Não.. Ainda não postei artigos sobre se Jesus é DEUS ou FILHO DE DEUS, pois é o assunto MAIS DELICADO de todos e não posso, de forma nenhuma, colocar aqui meras interpretações.

      Estou aguardando o momento certo para postar artigos sobre Jesus. Que nosso Pai me mostre MUITO CLARO, em sua Palavra, quem realmente é este que muda a vida tantos no planeta, há milênios… a começar com a minha!

  12. Carol

    A doutrina da trindade é falsa, eu concordo. Quem faz um estudo mais aprofundado da bíblia sabe que esta é uma doutrina criada por homens e não é bíblica.

  13. Regina celi

    Creio que Jeová é o Deus todo poderoso. Jesus é o seu Filho, nosso resgatador e ninguém vai ao Pai a não ser em nome de Jesus. A trindade é pagã! Não sei porquê as pessoas não lêem a bíblia para ter essa certeza. Depois da morte dos apóstolos a apostasia entrou no cristianismo genuíno. Que o nome de Deus seja santificado como Jesus ensinou em Mateus 6:9. Espero que todos que tenham o verdadeiro sentimento de servir ao único Deus Verdadeiro sejam abençoados e o encontrem. Que a paz de Cristo esteja com você e continue sua pesquisa!

  14. Jamile

    Olá Cris!
    Não ficou muito claro para mim a tua posição quanto a este assunto.
    DEUS é DEUS e JESUS CRISTO é DIVINO, mas não é DEUS? É isso?
    Abraços irmã.

    • Evangelho Perdido

      Olá, Jamile!
      Eu ainda não postei NENHUM artigo sobre se penso ser Jesus DEUS ou o FILHO DE DEUS. Apesar de em nada isso mudar o que Ele significa para mim: MEU SENHOR E SALVADOR.. O MESSIAS PROMETIDO.. QUE MUDOU A MINHA VIDA E A VIDA DE MILHÕES.. QUE VOLTARÁ E REINARÁ NESSA TERRA POR MIL ANOS, JUNTAMENTE COM OS SANTOS QUE VENCERAM, COMO ELE VENCEU… E, NO FINAL, PASSARÁ PARA AS MÃOS DO PAI TUDO QUE ELE TOMOU DAS MÃOS DE SATANÁS.. E DEUS SERÁ TUDO EM TODOS…

      Não! Ainda não postei artigos sobre se Jesus é DEUS ou FILHO DE DEUS, pois é o assunto MAIS DELICADO de todos e não posso, de forma nenhuma, colocar aqui meras interpretações. Estou aguardando o momento certo para postar artigos sobre Jesus. Que nosso Pai me mostre MUITO CLARO, em sua Palavra, quem realmente é este que muda a vida de tantos no planeta, há milênios… inclusive a minha!

      Mas, creio que posso deixar contigo e os demais leitores apenas algumas perguntas que passam pela minha cabeça:
      1) Se Jesus também é Deus e não apenas Filho de Deus como eu, como posso tê-lo como exemplo se eu sou humana e ele não? “Ah, mas ele se fez carne, se tornou homem quando esteve aqui”.. Sim, mas, segundo os teólogos, mesmo aqui entre nós ele não perdeu a sua divindade. Jesus não tinha pecado porque era Deus? Como eu posso seguir os seus passos se sou pecadora e não sou Deus? Jesus venceu a cruz porque era Deus? E se ele não vencesse, ele deixaria de ser Deus? Ou ainda.. Seria possível um Jesus Deus ser tentado no deserto? É possível tentar a Deus?

      2) Como explicar o texto abaixo sob a ótica de JESUS DEUS?
      “Como também diz, noutro lugar: Tu és sacerdote eternamente, Segundo a ordem de Melquisedeque. O qual, nos dias da sua carne, oferecendo, com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que o podia livrar da morte, foi ouvido quanto ao que temia. Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu. E, sendo ele consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem;” (Hebreus 5:6-9) Um Deus poderia pecar? Pois Jesus, com clamor e lágrimas, suplicou a Deus para que ele não pecasse, para que o pecado não o vencesse. E o Pai o atendeu. Mas seria possível ele, sendo Deus, não resistir essa insuportável tentação que foi o tempo que ele viveu aqui e NÃO VENCER? Outro detalhe nesse texto. Jesus Deus “aprendeu” a obediência? Deus poderia desobedecer? O texto deixa claro que Ele venceu o pecado com MUITA dificuldade e dor.. Jesus também venceu a tentação do deserto com muita dificuldade, senão não seria tentação.. Jesus também sofreu horrores, a ponto de suar gotas de sangue, com a expectativa do que sofreria na cruz (o pecado de toda a humanidade sobre ele, um homem).. Mas ele poderia desistir da cruz?

      Eu poderia fazer mais uma infinidade de perguntas como essas. Não. Não postei ainda NENHUM artigo sobre essa questão, mas vejo muito mais respaldo bíblico Jesus FILHO DE DEUS, HOMEM.. Que viveu aqui e VENCEU o pecado de fato, podendo não vencer.. E se tornou nosso PODEROSO SENHOR e NOSSO EXEMPLO.

      Mas.. Ainda há muito do que meditar, se aprofundar.. Esse assunto é O MAIS IMPORTANTE de todos para mim. Muito delicado! Pois trata-se do autor de nossa salvação. O ÚNICO mediador entre Deus e os homens.. Ele se tornou SENHOR e CRISTO pelo que ele venceu!.. Se ele venceu.. nós também podemos vencer este mundo!

      “Eu lhes disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo“. (João 16.33)

      Um abraço carinhoso.

      • Paula Pinheiro

        Muito verdadeiros seus questionamentos! Conheci seu blog ontem e não consigo parar de ler seus artigos. Ando pesquisando muito e seus estudos são os mais compatíveis com aquilo que creio serem a verdade de Deus. Esses dias tenho meditado muito sobre a natureza de Cristo e muitos dos seus questionamentos são meus também, como por exemplo Cristo ser tentado por Satanás. Claro que Satanás sabia de sua origem (de Cristo) e sua natureza. Se o Messias fosse o próprio Deus, o Inimigo não tentaria desviá-lo, pq como Deus poderia trair a si mesmo?Minha conclusão inicial é de que o Salvador realmente é o Filho de Deus, o Pai. Mas quanto à natureza dele ainda tenho muitas dúvidas, acho que a resposta não está clara nas escrituras. Tenho algumas hipóteses, mas não sou nenhuma estudiosa no assunto. Assim que achar no seu coração que deve se posicionar quanto esse assunto, quero muito conhecer a base para seu argumento, tenho certeza que o Espírito de Deus te guiará. A paz do Senhor!

      • Meire

        Olá….
        Os seus questionamentos sobre o Filho do Eterno, o Messias, são os mesmo que os meus…ainda não cheguei a uma resposta, mas eu creio no MESSIAS… Mas sempre questiono ..que se foi necessário ”UM DEUS ” morrer por nós , penso que nós somos uma especie miserável, incapaz em todos os sentidos, e seguindo essa linha perco a fé na humanidade. Como posso me espelhar em UM DEUS, e imita-lo se eu sou só um mero ser humano? Isso é impossível!! Mas sabe, quando penso em um Messias homem enquanto aqui na terra …que sofreu e venceu..sinto a sensação de querer sair correndo atrás Dele, e nunca mais deixa-Lo de seguir..

        bem, eu quero muito saber a Verdade..eu tenho maior medo de cair na operação erro…Nos só temos uma vida.. não quero desperdiça-la a minha seguindo doutrinas erradas… Que o Eterno, nos ajude!

    • Yahshua é o filho, é uma divindade, pois vem de Deus, assim como os anjos. Deus é único e o próprio Yahshua disse que o pai é maior do que ele. Yashua orava ao pai, pedia ao pai, fazia tudo segundo a vontade do pai e acima de tudo, santificava o nome do Pai Yahweh. O próprio significado do nome de Yahshua, ou Yeshua, é Yahweh é Salvação.

  15. Viviane

    PARABÉNS pela matéria, conteúdo muito rico. Bom saber que há pessoas espalhadas pelo mundo que chegaram ao mesmo entendimento que nós. que o Espírito do Eterno continue iluminando.

  16. Joran Batista

    Presada amiga Cris,gostei muito do seu artigo sobre a trindade,fiquei curioso sobre o artigo em relacao ao nome do Eterno,se ja foi postado me avise por favor que Ele contunue te usando.

    • EliCristina

      Olá Cris! A paz do Senhor. Encontrei seu blog ontem quando buscava esclarecimentos a respeito da trindade, vc teria já a parte 2 amada?

    • A Paz irmã! Fiquei feliz em encontrar mais pessoas como eu. Assim como você, muitas coisas o Senhor Deus me mostrou também. Às vezes da até medo pensar que estamos errados, como os religiosos falam que estamos, mas temos a certeza do em nós foi revelado. Por isso eu estou tentando me encaixar em algum lugar, algum ministério, mas sei que nunca vou conseguir, porque não posso compactuar com os erros grotescos que lá existem e é praticado. Desde que Deus me chamou, há 20 anos, sempre discordei do ensino da trindade. Hoje, depois de vários estudos e muita reflexão na palavra de Deus, vejo que eu e muitos que pensam como eu estamos certos, pois só existe UM Deus (apesar de que eu penso um pouco diferente da irmã). O mais importante é que cremos em um único Deus. Também não concordo com o dízimo como é aplicado hoje, não concordo com vendas na igreja como muitas hoje fazem (seja lá o que for ou pra que for), não concordo em cobrar para pregar, não concordo com o domingo como dia do Senhor (como por exemplo domingo, culto da família), e por aí vai. Que Deus te abençoe muito. Um forte abraço. Espero te encontrar outra vez nesta comunhão.

  17. JOÃO LUIZ

    Não vou por os detalhes.. só o que vi na net. O papa Bento 16 diz em um livro que Mateus 28.19 foi acrescentado à Bíblia pela Igreja Católica. E buscando o mesmo versículo em uma bíblia mais original, encontramos a verdade sobre o batismo, que deve ser feito em nome de Jesus, e não em nome do Pai, Filho e espírito santo.

  18. L. Souza Silva

    Cris, graça e paz. Sou cristã pentecostal e tenho me deparado com tantas heresias que se não fosse a fé tão firmemente trabalhada no meu coração pelo meu Deus ao longo de 30 anos eu já teria sucumbido. Oro constantemente para que o Senhor me conceda sabedoria e entendimento e mesmo com poucos recursos sempre procuro estudar com diligencia a Palavra de Deus. Certa noite, após uma madrugada de intensa oração, rogos e lágrimas, tive uma súbita vontade de pesquisar sobre arrebatamento e me deparei com o termo “blue beam”, ao pesquisa-lo fui direcionada para seu blog. Sinceramente, nunca tinha ouvido falar. Li vários de seus artigos e ao confrontá-los com as escrituras pude sanar várias dúvidas. A respeito do termo Trindade, mesmo não tendo tanto conhecimento como o teu, já tinha me questionado sobre nunca ter lido esta Palavra nas Escrituras. No entanto, não ficou claro pra mim, e isso é o que me importa, o que você pensa a respeito do meu Senhor e Salvador Jesus Cristo. Ele é o cerne da minha fé, sem Ele eu jamais seria adotada como filha (Joao 1.12) e liberta das densas trevas. Só eu sei o que Ele fez por mim. Aguardo ansiosamente teus artigos a respeito do meu Amado. Obrigada.

  19. Meryem

    Eu não tenho dúvidas que a doutrina da trindade é falsa e herética ., porém quero chamar a atenção de todos sobre um ponto que passa totalmente despercebido no cristianismo enquanto religião monoteísta . Desafio qualquer pessoa a encontrar pelo menos 1 versículo no Velho Testamento aonde Deus é chamado de PAI e aonde Deus mostre Jesus como FILHO . Povo de Deus , acordem !!! O Senhor Deus dos Judeus no Velho Testamento nunca foi chamado de PAI por eles. Deus é SENHOR ABSOLUTO, CRIADOR. Ele criou Adão do pó e enviou Jesus como seu mensageiro . Deus não precisa de PARCEIROS ou de um filho para fazer o que for da vontade dEle. Por favor, percebam a enorme diferença que existe entre o Deus apresentado no Velho Testamento e o Deus apresentado no novo testamento !!! Deus mudou então ??? Estamos falando de um mesmo Deus ou não ? É óbvio que a bilblia foi corrompida neste conceito da trindade, mas o estrago foi muito maior do que simplesmente pensar no 3 em 1 . Atribuir um filho a Deus é um pecado imenso ! O Deus dos hebreus nunca atribuiu um filho a ELE !!! Deus deixou claro através dos profetas do velho testamento que Jesus era o MESSIAS . Eu quero que alguém me mostre no velho testamento onde é que está escrito que O MESSIAS É FILHO DE DEUS ! Deuteronomio é muito claro ao expressar quem é Deus ! Nosso Deus é o único Senhor ! Jesus foi enviado por Deus para trazer a mensagem dEle. Essa foi a missão de Jesus , e Ele a cumpriu !!! O novo testamento está totalmente modificado no que diz respeito a ideia de trindade . Povo de Deus, busque de fato uma religião monoteísta onde só existe UM DEUS!! Aprendam o que é o Islam , saibam como adorar um único Deus! respeito o Senhor Jesus Cristo como um profeta e mensageiro de Deus .Amo o Senhor Jesus de todo o meu coração !! Essa é a verdade ! Jesus não é filho de Deus .,Jesus é um profeta e mensageiro que foi enviado de Deus para nos ensinar a sermos adoradores de UM SÓ DEUS. Jesus nunca se colocou em posição igual a Deus, e ele deixou isso muito claro. Infelizmente a igreja católica ROMANA corrompeu o verdadeiro evangelho de Jesus. Barnabé e Paulo se separaram , o livro de Atos mostra isso , mas Paulo não conta porque . Barnabé conheceu Jesus, Paulo nao, e entre eles começou a haver controvérsias em termos de ensinamentos e justamente um deles foi este conceito de trindade . Barnabe achou por bem seguir sozinho porque não concordava com Paulo , mas isso poucas pessoas sabem. Procurem pesquisar a Bíblia de barnabe e vão começar a entender que não é somente a trindade o problema . Deus seja louvado. Hei de morrer com esta verdade VIVA de que adoro um único Deus que não precisa de intermediários . Ele é poderoso e quando diz SEJA, tudo se torna da forma como Ele quer, sem precisar de ninguém . Ele é o grande EU SOU. O Islam , o judaísmo e o cristianismo são consideradas as três religiões monoteístas, mas olhando para essas religiões eu vejo 3 pontos muito importantes a considerar . O judaísmo não reconhece Jesus como o Messias. O cristianismo afirma que Deus, Jesus é o Espírito Santo são 3 em 1. O Islam afirma que somente Deus pode ser adorado, e acredita em todos os profetas, inclusive em Jesus, e com imensa reverência , pois do contrário o Alcorão é claro em dizer que se um muçulmano não aceitar sequer um dos profetas, então este não pode ser considerado muçulmano. Qual das 3 religiões é a verdadeira religião monoteísta ?

    • Evangelho Perdido

      Olá, Meryem!
      Obrigada por comentar no blog, viu?

      Acho complicado descartar o Novo Testamento inteiro. Sei que há erros propositais nas traduções, mas é muito complexo virar as costas para todas as coisas que estão escritas lá. O Apocalipse, por exemplo, é prova do que estou falando. Profecias de João ali descritas já se cumpriram cabalmente e outras já estão se desenhando claramente em nossos dias. Além do Apocalipse ser um paralelo perfeito com as profecias do livro de Daniel.

      Eu recebo a instrução e direção do Novo Testamento pela fé, pois os ensinos do NT testificam o ensino do VT. E eu vivo pela fé. Não uma fé cega, mas com evidencias poderosas em meu dia a dia que comprovam que Deus inspirou aqueles homens para escreverem seu testemunho poderoso e nos inspirar.

      A partir da NOVA aliança, Deus atuou diferente, por isso se mostra diferente no NT. Ele não MUDA, mas se manifesta como quer, do jeito que quer. O VT era sombra do que ocorreria na nova aliança. E o NT evidencia ao nosso coração essa NOVA aliança e Jesus é o cumprimento maravilhoso e protagonista da mesma.

      Sim.. há um só Deus, sim! O Eterno, Criador dos céus e da terra. Mas esteja certo que Jesus não foi apenas um mensageiro e profeta! Mas ele também NÃO É Deus, como o Cristianismo ensina. O Cristianismo pagão ensina o que ele próprio NUNCA afirmou ou ensinou dele mesmo. Jesus é o poderoso Messias prometido pelos profetas e reinará junto com todos os que crerem em seu nome e senhorio.

      E, para uma pessoa que DESCARTA uma considerável parte da Bíblia como você (Novo Testamento), não adianta eu usar NENHUM argumento bíblico irrefutável do NT aqui, o que é uma pena.

      O fato de você não encontrar em nenhum ponto do Antigo Testamento que Deus é o PAI de Jesus, não é relevante. Não muda o que realmente Jesus representa. Ele está assentado à destra de Deus. Muito em breve esse poderoso Rei voltará a este mundo e você, acreditando Nele como SENHOR ou não, estará de joelhos perante sua poderosa presença e poder. Ele venceu esse mundo podre de pecado e é o meu exemplo evidente que eu também posso vencer. Há um só Deus e um só Senhor.. Jesus Cristo, HOMEM!

      Você, aparentemente é seguidor ou, no mínimo, simpatizante de Allá/Islã. Mas, antes de encerrar este e-mail, quero exortá-lo sobre o FATO de Allá não poder ser comparado com o Criador do céu e da terra, nosso Todo Poderoso Deus. Eles NÃO são o mesmo ser. E muitos estão muito enganados pensando que são.

      E, o mesmo Alcorão que você citou, evidencia quem é que está por trás dessa religião: o próprio Satanás, Meryem.

      Veja abaixo os 20 Mandamentos mortais do “diabólico” (“satânico”) Maomé, o fundador do Islã. São citações do Alcorão. Por causa desse perfil e várias outras evidencias que pretendo publicar muito em breve, que o Islã mostra-se como a religião do Anticristo, que matará até o fim muitos judeus e cristão, sob a direção de Satanás. Fique atento, tá bem?

      1 – Tu deves estuprar, casar e divorciar meninas na pré-puberdade. Alcorão 65:4, 4:3
      2 – Tu deves ter relações sexuais com escravas sexuais e trabalhadoras escravas. Alcorão 4: 3, 4:24, 5:89, 33:50, 58: 3, 70:30
      3 – Tu deves bater nas escravas sexuais, nos trabalhadores escravos, e nas esposas. Alcorão 04:34
      4 – Tu deves ter quatro testemunhas masculinas muçulmanas para comprovar um estupro. Alcorão 24:13
      5 – Tu deves matar aqueles que insultam o Islão ou Maomé. Alcorão 33:57
      6 – Tu deves crucificar e amputar não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 47: 4
      7 – Tu deves matar os não-muçulmanos para garantir receber as 72 virgens no céu. Alcorão 9: 111
      8 – Tu deves matar quem deixar o Islã. Alcorão 2: 217, 4:89
      9 – Tu deves decapitar não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 47: 4
      10- Tu deves matar e morrer por Alá. Alcorão 9: 5
      11- Tu deves aterrorizar os não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 8:60
      12- Tu deves roubar e furtar os não-muçulmanos. Alcorão Capítulo 8 (Saque / Espólios de Guerra)
      13- Tu deves mentir para fortalecer o Islã. Alcorão 3:28, 16: 106
      14- Tu deves lutar contra os não-muçulmanos, mesmo que você não queira. Alcorão 2: 216
      15- Tu NÃO deves tomar os não-muçulmanos como amigos. Alcorão 05:51
      16- Tu deves chamar os não-muçulmanos de porcos e macacos. Alcorão 5:60, 7: 166, 16: 106
      17- Tu deves tratar os não-muçulmanos como as criaturas mais vis, que não merecem misericórdia. Alcorão 98: 6
      18- Tu deves tratar os não-muçulmanos como inimigos jurados. Alcorão 4: 101
      19- Tu deves matar os não-muçulmanos por não se converterem ao Islão. Alcorão 09:29
      20- Tu deves extorquir não-muçulmanos para manter o Islão forte. Alcorão 09:29.

      Duas frases abaixo que valem dependendo da sua convicção:

      Palavra de uma pessoa religiosa
      “Caro muçulmano: Eu oro para que o Senhor Jesus Cristo abra seus olhos e seu coração, e você possa conhecer a luz do Evangelho em Seu Nome Poderoso. Amém.”

      ou:

      Palavra de uma pessoa ateia/agnóstica
      “Caro muçulmano: Estes 20 mandamentos são um crime contra a humanidade e os Direitos Humanos. Largue-os fora, e se torne um ser humano.”

      Agora, uma palavra da Cris Molulo:

      EU REJEITO A SHARIA E O DEMONÍACO FALSO DEUS E FALSO PROFETA QUE ELA REPRESENTA! E ESTOU DISPOSTA A RESTAURAR O CORAÇÃO DE QUANTOS MULÇUMANOS SE COLOCAREM EM MEU CAMINHO. EU OS AMO E ANSEIO QUE ELES ENCONTREM A VERDADE… E A VERDADE É JESUS!

      Não deixe de voltar e sempre comentar no blog, tá bem? Será SEMPRE muito bem-vindo!

      Um abraço carinhoso.

      • Iones

        Amei seu artigo. Já havia pesquisado sobre a trindade e realmente esta doutrina não tem nenhuma base bíblica. Diante do exposto de tantas religiões da cristandade que existem, parece não haver nenhuma religião contrária a essa doutrina, pois todas acreditam na Trindade! Com exceção das Testemunhas de Jeová. Será ela a verdadeira? Vejo que é a única doutrina que dá exclusiva adoração a Deus, sem deixar de amar a Jesus e fazer o que ele pediu pra fazer.

        • Evangelho Perdido

          Olá, Wagner!

          Os TJ não se diferem muito das demais denominações. Mesmo ela pregando coisas bem diferentes e corretas em relação as tradicionais, que alegam que os TJ se encaixam mais como uma seita do que outra coisa, o fato é que todas ensinam enganos, umas menos outras mais.

          O que precisamos é nos concentrar mais na Palavra, arrancando de nosso coração todo o engano e não focarmos em bandeiras denominacionais. Busque a verdade e a santificação a tempo e fora de tempo. Seja uma bênção no grupo que vc estiver frequentando.. Mas ande com os santos. A maioria ainda está dentro de denominações, portanto, ande com eles. Não fique sozinha. E, se puder criar um grupo você mesma para apenas estudar sobre a verdade, seria ótimo. Se não puder, procure andar com os santos onde eles estiverem.

          Se ainda não leu, veja os dois artigos no link abaixo. Eles explicam direitinho o que eu penso sobre as denominações:
          http://www.evangelhoperdido.com.br/category/confusao-de-doutrinas/

          Mas eu não aprovo e não ensino a NINGUÉM ficar isolado, considerando tudo e todos “contaminados”. Os santos estão nesses lugares que condenamos. Aguarde a direção de Deus para tudo e não ande sozinho.

          Um abraço carinhoso.
          Cris

      • Agnaldo Cruz

        Linda e respeitável resposta.

    • gilberto silva

      isaias 64:8 “mas agora, ó Senhor, tu és o nosso Pai”
      A maneira como comecou o isla estava condenada em Galatas 1: 8 e 9, se um anjo …apresentar outro evangelho, seja anatema.

  20. Mozar Garcia de Abreu

    Baal era o nome do deus supremo adorado na antiga Canaã e Fenícia. A pratica do culto a Baal infiltrou a vida religião judaica. Hoje não é diferente, porem sutilmente também infiltrou na vida religiosa doutrina de origem pagã, deus trino: Pai , Filho ,espírito santo,único deus em três pessoas. Percebe a sutileza , o homem fez uma doutrina com Deus, o Filho,o espírito santo para que não percebam,
    fazendo essa doutrina assim será aceito, mas quem estiver com o espírito de Deus perceberá o engano. Trindade= Baal .Jesus diz que o culto é prestado somente a Deus, o Pai Mat 4:10

  21. Rovson

    Olá, irmã Cris. Graça e Paz. Gostaria de saber se a senhora já tem uma opinião formada sobre quem é Jesus, isto é, qual a natureza dele, se ele é Deus como o Pai o é e, portanto, igual em tudo ao Eterno, se ele é inferior ao Pai e, portanto, não pode ser considerado divino, enfim, gostaria que a senhora discorresse um pouco sobre essa questão que para mim é MUITO importante. Um abraço fraternal.

    • Evangelho Perdido

      Irmão Rovson,
      em breve postarei uma série de artigos sobre Quem é Jesus. Antes disso postarei um estudo sobre a Marca da Besta. Pode aguardar, viu? Obrigada pela sugestão.

      Um abraço carinhoso.

      Cris

  22. só um servo que busca conhecer o SENHOR embora com pouquissimo material mas persisto á conhecer as escritutas, não tenho nenhum livro infelizmente.
    SOBRE A TRINDADE VEJO MUITAS CONTRAVERSIAS , ENTÃO EU PERGUNTO. MAIS NA BIBLIA NÃO FALA DO PAI, DO FILHO E DO ESPIRITO SANTO?
    OBRIGADO

    • Evangelho Perdido

      Olá, irmão Sebastião.
      Desculpe a demora com a sua resposta, viu?

      Claro que a Bíblia fala do Espírito Santo. No blog, em nenhuma parte da série de estudo sobre este tema, foi negado que existe o Espírito Santo, irmão Sebastião. ELE EXISTE. A única controvérsia é se o Espírito é um terceiro Deus, uma terceira pessoa. Entende? E o estudo deixa bem claro como que surgiu essa doutrina. O Espírito existe e está conosco TODOS os dias e continuará. O Espírito em nós é o Espírito de Cristo..

      Leia todo o estudo e se continuar com alguma dúvida entre em contato, ok?

      Um abraço carinhoso.

      Cris

  23. Jeronimo acrescentou varias doutrinas humanas quando traduziu a bíblia,a igreja romana nem deixou as pessoas lerem a bíblia.Jeronimo afirmou numa carta que `adulterou`as escrituras por ordem papal.vai encontra na enciclopedia barsa.

  24. Edvaldo da Rocha Pinto

    Ô Marcos ! qual o problema? Isaías 6:1-3 Isaías teve uma visão do Todo Poderoso e não de jesus a glória de Jesus ele viu no verso 9 e 10 mas no futuro e não naquele momento . E Salmo 102 : 26 e 27 fala do Pai Hebreus Capítulo 1:fala do Pai e do Filhol tudo que Jesus é e tem foi Deus o Pai quem lhe concedeu , por que ? Veja : Amaste a justiça e aborreceste a iniquidade ; por isso Deus , o teu Deus te ungiu com óleo de alegria mais do que a teus companheiros Hebreus 1: 9 . Já o verso 10 fala de Deus o Pai

  25. Edvaldo da Rocha Pinto

    Muito bom pena que não podemos ouvir essas verdades nos púlpitos e nem pregarmos para a igreja e assim o povo de DEUS perece por falta de conhecimento.

  26. marcos

    Bom estou pesquisando esta questão e ainda não me convenci , sobre a doutrina da trindade ser falsa , pois me deparei com uma passagem bíblica em João Cap 12 :41 e ali diz que Isaias viu a Glória de Jesus , mas ele não viu a Deus em sua visão , em Isaias 6:1-3 , Quem Isaias viu a final ? Salmos 102:26-27 , faz referencia a Jeova , e em Hebreus cap 1 A mesma linguagem e forma de falar é a mesma porem , esta se referindo a Jesus . Como isso ?? E outras passagens que defendem a questão da trindade , o fato de não encontrar a palavra trindade no NT não quer dizer nada , pois a palavra expiação tbm não é citada . O barato é louco !!

  27. becker

    vc já leu os escritos de ISAAC NEWTON sobre a Trindade? Igreja Católica era tudo o que Newton mais odiava. Chamava-a de Anticristo – ou de a “meretriz da Babilônia” – e acreditava que todas as mentiras do mundo tinham começado no Concílio de Nicéia, em 325. O concílio estabeleceu toda a simbologia cristã que se usa até hoje. Ali foi decidida a força da Santíssima Trindade e a ambivalência entre Jesus e Deus. Newton achava que isso era fruto da corrupção dos políticos romanos, preocupados em conquistar mais fiéis.(fonte revista http://super.abril.com.br/ciencia/isaac-newton-fe-fisica-446508.shtml)

  28. Cesar

    Já pesquisei, e concordo plenamente, a HERESIA de trindade, é uma criação pagã, e destitui DEUS, o Todo Poderoso, de um Deus, único, onde os judeus não admitem e não conheciam essa doutrina pagã e herética. Se Deus é uno e indivisível, e Jesus, filho de Deus, é o Senhor, o próprio reconhece que é menor do que o PAI, DEUS, é absurdo criar um Deus em 3 pessoas. E mais absurdo, é tratar o Espírito Santo, como pessoa, é uma incompreensão da divindade, tremenda. Se Deus é criador de todas as coisas, não há cabimento, para tal deturpação. Perguntem aos judeus messiânico, cristão, a gravidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *